Vários funcionários da Mercedes-Benz de S. Bernardo do Campo receberam um telegrama em suas residências, na tarde desta segunda-feira, dia 15 de agosto, informando a demissão dos mesmos. 

No texto da carta, a montadora alemã alega que "fez o possível para lidar com o excedente, mas considerando as condições atuais do mercado" solicitava o comparecimento dos metalúrgicos na sede da empresa, no próximo dia 24 de agosto, para execução dos procedimentos necessários para o desligamento. A estabilidade garantida pelo Programa de Proteção ao Empresa se encerrá no dia 31. 

De acordo com notícia publicada nesta segunda pelo site ABCD Maior, o Sindicato dos Metalúrgicos do Grande ABC convocou os mais de oito mil trabalhadores da Mercedes para uma reunião na sede da entidade, no Centro de São Bernardo, a partir das 10h desta quarta, que deve ter as demissões como pauta. 

Nesta segunda-feira, a companhia afastou a maior parte do quadro de colaboradores, concedendo licença remunerada, utilizando como justificativa a #Crise no setor automotivo.

Publicidade
Publicidade

O anúncio, feito por meio de um boletim divulgado na sexta-feira, pegou os funcionários de surpresa, que temiam uma demissão em massa.

Segundo a direção da Mercedes, o cenário econômico para o futuro é pessimista e existe um excedente de quase dois mil operários na planta localizada no bairro da Pauliceia.

Muitos funcionários recorreram às redes sociais para mostrar sua indignação com o comportamento da montadora. Para alguns, a empresa "perdeu o respeito" e trata a todos como "somente um número". 

Em nota, a Mercedes-Benz confirmou o envio dos telegramas direcionados aos trabalhadores cuja estabilidade de emprego se encerrá no final deste mês.  #São Bernardo do Campo #Desemprego