O mercado de trabalho mudou muito nos últimos anos. O que funcionava para os nossos pais, na caça de #Emprego, hoje não funciona mais. A procura de emprego eficiente requer mais do que uma pasta recheada de documentos e disposição para perambular o dia inteiro sem destino certo. Currículo? Esse é outro desafio. O que colocar para encantar o selecionador? Pior, como se comportar na entrevista? É tenso.

Há quem ainda siga as velhas receitas na busca de uma colocação: andam com o mesmo currículo para funções diferentes, se cadastram em todas as agências, enviam o currículo para empresas que nem contratando estão. É deprimente.

Publicidade
Publicidade

Saber o que as empresas querem, onde buscar emprego e como fazer o currículo, faz diferença!

A procura de emprego eficiente

1 - #Vagas falsas. Essa é a primeira preocupação na hora de buscar emprego. Há quem se aproveite do desespero das pessoas para lhes aplicar golpes e arrancar dinheiro. Atenção: no anúncio da vaga, não há um meio de contato com a empresa? Esqueça. E se consegue contato, é exigido pagamento para "garantir" o emprego? Denuncie.

2 - Ligar para a empresa. Não interessa em quantos sites ou placas de agências o cargo apareça. Sempre contate o Departamento de Recursos Humanos da empresa para confirmar se há um processo seletivo referente àquela vaga. Isso evitará dor de cabeça e perda de tempo.

3 - Currículo, só se houver a vaga. Às vezes, por desejar demais alguma coisa, desprezamos os fatos da realidade.

Publicidade

À procura de um emprego, você entrega o currículo em todos as empresas e agências que vê pela frente. Com toda a boa intenção, certos recrutadores aceitam que você envie ou deixe o currículo, mesmo sem haver vaga nenhuma. Para que criar falsas expectativas? Se a esperança é a última que morre, a ingenuidade deve ser a primeira.

4 - Vagas online. Antigamente as pessoas saíam cedo, "munidos de todos os documentos", para as portas de fábricas ou agências em busca das ofertas de emprego do dia. Funcionava. Hoje, via internet, você se cadastra em todas os sites de agências e empresas. Ou por meio de sua rede de contatos reais ou de amigos virtuais, você tem acesso a todo um universo de oportunidades de #Trabalho. Sem gastar sola de sapato.

O currículo

6 - Dados pessoais. Apenas nome, idade, telefone e email. Fotos, só se pedirem. Redes sociais? Só as de uso profissional (Linkedin). Não exagere nas informações.

7 - Objetivo profissional. Você está buscando uma vaga para "Pintor", mas se função de "eletricista" também lhe interessa, adapte o seu currículo.

Publicidade

Se os seus objetivos profissionais são vários, diversifique o seu currículo.

8 - Idiomas. Se a função não pede outro idioma, nem mencione isso. O cargo exige fluência em inglês e você sabe somente o "básico"? Não tente maquiar o currículo. Melhor dizer que não fala aquela língua e pronto.

9 - Habilidades e atividades. Explique a atividade o suficiente para o selecionador ter uma noção do que você já fez. ("elaboração de planilhas", "lubrificação de máquinas"), mas não se estenda.

10 - Experiência Profissional. Cite somente os três últimos empregos ou os mais relevantes, sugere Ricardo Karpat, especialista em RH da Gabor Recursos Humanos. “O currículo deve conter uma página e no caso de profissionais experientes, no máximo duas páginas”, diz a consultora de recursos humanos e diversidade, Flávia Mentoni.

Dia da entrevista

11 - Chegue cedo. Esteja no local uns 20 minutos antes da entrevista. Seja simpático com as pessoas que o atenderem. Desligue o celular, tome um pouco de água, vá ao banheiro. Relaxe. Se concentre na entrevista. Tente pescar alguma informação do ambiente que pode ajudá-lo na hora H.

12 - Não critique nada. Você ainda odeia o seu antigo emprego, o ex-chefe, os ex-colegas? Jamais os deprecie diante do entrevistador. Atenha-se somente às questões e realizações profissionais na antiga empresa. Nem reclame de nada do local onde acontece a entrevista.

13 - Conhecimento e autoconhecimento. Pesquise sobre a empresa para falar, se pedirem. Caso perguntem sobre os seus defeitos, cite um, porém fale o que está fazendo para mudar "Sou tímido, mas estou tentando melhorar". Se ouvir "Por que devo contratar você?", cite qualidades que vão ser úteis para o cargo. Lembre de relatar uma experiência anterior que o destaque.

14 - Respostas curtas. Só responda o que for perguntado. Ao ouvir "fale um pouco sobre você", conte sobre a sua trajetória profissional. Seja convincente nas respostas. O administrador de empresas, consultor e palestrante, Max Gehringer adverte: "Em entrevistas há respostas verdadeiras e adequadas. O candidato ideal é aquele que faz a resposta adequada soar verdadeira. Num processo de seleção o candidato escolhido é sempre aquele que responde o que o entrevistador quer ouvir".

15 - Linguagem corporal. Vista-se como a empresa se veste, isso já é meio caminho andado. Sorria ao falar com as pessoas. Aperte firmemente a mão do entrevistador. Sente-se ereto, mas descontraído. Olhe nos olhos do entrevistador de um modo natural: como numa conversa normal, desvie o volte a olhar para ele quando responder as perguntas. Use poucos gestos. Observe o entrevistador, se ele sorrir, imite. Se ele ficar sério, reaja de acordo.

Pronto. Com essas dicas, e outras que você mesmo deve buscar (joga no Google!), as chances de conseguir a sua próxima vaga são grandes. As empresas sabem que não existe uma receita mágica e infalível para se identificar o candidato ideal. Ela faz a parte dela. Ao candidato cabe se equipar de todas as ferramentas a fim se enquadrar no perfil desejado pela empresa em que quer trabalhar. E se não der certo, "isso não significa que você não serve para aquela empresa, significa que aquela empresa não serve para você" (Max Gehringer).

O segredo da procura eficiente do emprego é melhorar sempre.