Muitas vezes, como muitos brasileiros, você deve se perguntar: "por que será que no Brasil é tão difícil viver da arte?". Vamos analisar mais especificamente a situação dos escritores. Apesar de o Brasil ser um país enorme, com milhões de potenciais escritores e leitores, esse mercado da literatura é relativamente pequeno. Vários fatores influenciam esse fato. A #Educação no Brasil que, em sua maioria é muito deficiente, é a principal causa. A média de livros lidos aqui no Brasil por pessoa é 4 por ano. Mas isso incluindo livros obrigatórios nas escolas, os didáticos, etc. A média para livros lidos por hobby mesmo é de somente 1 por ano.

Por isso muitos brasileiros que sonham serem escritores, muitas vezes, apesar de serem bons, não conseguem seguir essa carreia, pois com a remuneração que ganham escrevendo não conseguiriam sobreviver.

Publicidade
Publicidade

Existem poucas exceções, como Paulo Coelho, por exemplo.

Esse fato sempre foi muito marcante pra mim, pensar na injustiça de um escritor norte-americano escrever um livro e ficar milionário para o resto da vida e no Brasil um escritor escrever uma obra muito melhor e ter que trabalhar em um emprego regular nos dias de semana e escrever nos tempos livres pra conseguir pagar as contas.

Apesar de já estar acostumada com o fato de o escritor brasileiro não ser muito valorizado monetariamente, esses dias estava lendo Diomedes, uma história em quadrinhos sobre um detetive particular, escrita por Lourenço Mutarelli, quando, chegando ao final fui ler um pequeno texto que ele escreveu de agradecimento. Lá ele dizia o quanto foi e é difícil pra ele viver de ser escritor, e até brincou dizendo que "estou numa crise financeira momentânea há 37 anos." É incrível que um escritor como ele, que tem seis romances publicados, dois deles que até viraram filme e que já ganhou muitos prêmios, inclusive quatro vezes reconhecido como o melhor desenhista nacional (Troféu HQ Mix) tenha que passar tanta dificuldade.

Publicidade

Porque isso nos leva a perguntar, quantos Mutarellis não foram seduzidos por um emprego com salário garantido no fim do mês e deixaram de escrever livros importantes pra nossa cultura e cinema, como O Cheiro do Ralo, por exemplo? Quantos Mutarellis será que já perdemos?