Em entrevista ao Estado de São Paulo, foi iniciada a peleja: Marta Suplicy ataca o #Governo Dilma Rousseff e o #PT. Com críticas que se consubstanciavam no apoio ao movimento "Volta, Lula" e ao ministro Aloízio Mercadante, sobre o qual dizia ser "inimigo de Lula". O lance principal: transmissão do cargo para o novo ministro da cultura, Juca Ferreira, também adversário da ex-ministra nesse jogo. A jogada de defender o "Volta, Lula" foi falta perigosa.

Na sequência de jogadas de críticas incômodas ao PT, apelou: "ou o PT muda ou acaba". O deputado Jorge Bittar, do Rio de Janeiro, classificou a essa jogada de "desastre total", considerando que a senadora tinha a motivação de candidatar-se à prefeitura de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Preterida pela indicação de Fernando Haddad à reeleição. Ou está jogando nesse estilo num drible para deixar o time petista?

Sobre Mercadante, Marta diz que ele quer candidatar-se a presidente em 2018, mentindo quando afirma que o seu candidato é o Lula. E ainda afirmou que, com Dilma eleita, Lula estará "totalmente fora" (na próxima eleição). E Mercadante afirmou que seu candidato é o Lula e que tal candidatura não está no seu "horizonte". Passes errados na peleja...

Ainda Marta analisou a vitória de Aécio Neves na disputa presidencial em São Paulo, afirmando que ela se deveu ao voto "anti-PT", por culpa os desmandos do PT. Desse jeito, alguém justificou que o PT é uma "metamorfose ambulante" (Geraldo Magela, secretário geral do PT). Que ideia é essa?

Em outra peleja, com a própria Marta, há outro jogador, o ministro da Cultura Juca Ferreira, que atacou a primeira gestão de Dilma Rousseff (com Marta), dizendo que a pasta da cultura perdeu consistência após o governo Lula, do qual ele fez parte.

Publicidade

Marta, na entrevista citada, falou nos "desmandos" de Juca quando ocupou a pasta entre 2008 e 2010. Chutes trocados.

Sobre sua volta, Juca diz que "Houve uma interrupção, e minha volta é uma retomada". No seu discurso de posse disse que o problema de Marta é com o PT, com Dilma e com o desejo de ser candidata. E disse que está manifestando mau humor. Também nessa ocasião, recordando momentos em que houve paralisações e greves no ministério, disse estar ciente das solicitações dos servidores sobre condições de trabalho e salários. Alegou que retomará a discussão sobre a reforma da Lei do Direito Autoral, ampliará o Vale-Cultura e reunirá uma nova geração de organizações culturais.

Empossado, segue a peleja contra Marta: esta enviou à CGU (Controladoria Geral da União) documento relatando "desmandos e irregularidades" ocorridos na gestão dele (repasse à Sociedade dos Amigos da Cinemateca (SAC) de R$ 111 milhões de reais). A Peleja não terminou...