Um grupo de pessoas da comunidade de Rio Pardo, conhecida como a "Cidade Histórica" de Rio Grande do Sul, situado a 140 quilômetros da capital Porto Alegre, iniciou uma forte mobilização para salvar o prédio do Solar do Almirante. No local funciona o Museu Municipal Barão de Santo Ângelo, que abriga um importante e inestimável acervo de todo tipo de objetos que contam a #História de Rio Pardo e do Rio Grande do Sul.

O prédio do Solar, construído em 1790 (um dos mais antigos do Estado). enfrenta sérios problemas como cupins, goteiras, rachaduras, desvalorização e esquecimento. Esta situação fez com que o Museu fechasse suas portas em abril de 2014, mas o acervo continua no local, certamente se deteriorando.

A principal patologia do prédio é a infiltração de água através do terreno e da cobertura. Um grande número de goteiras foi se tornando comum, causando o apodrecimento da madeira do telhado e do assoalho. As paredes externas, com a pressão vinda de cima, estão ficando inclinadas para frente.

Correndo contra o tempo, pois temem pelo pior, pessoas da comunidade interessadas em preservar o patrimônio histórico e arquitetônico de Rio Pardo, iniciaram recentemente ma mobilização em torno da busca de soluções para o problema. Uma audiência com o prefeito municipal de Rio Pardo aconteceu e todos os temas relativos ao Solar e Museu foram intensamente debatidos. O primeiro passo para realizar uma recuperação do prédio é a Prefeitura baixar um decreto de lei tombando o prédio. Este medida abrirá caminho para a buscar de verbas estaduais e federais que possam custear as despesas com as obras de restauração.

Também está circulando nas redes sociais um abaixo assinado para que o Decreto de Tombamento aconteça o mais rápido possível. Uma página exclusiva para debater e enfocar o assunto foi criada, numa rede social e já conta com milhares de pessoas acompanhando e postando comentários. O assuntos ganha corpo e começa e chamar a atenção.

O Solar do Almirante é mais um prédio antigo que enfrenta problemas para manter-se bem conservado. O Brasil tem muitos outros que estão na mesma situação. Parece que o país ainda não percebeu a real importância do assunto, bem como para o que representa conservar e manter ativos prédios que constituem o patrimônio histórico de uma nação.