"Bossa Nova, se ela é tua, é minha também". É bem assim que Dick Farney e Lúcio Alves cantam em determinado trecho de Teresa da Praia, uma entre tantas excelentes composições do maestro Tom Jobim que em minha #Opinião é o maior de todos no cenário da #Música popular brasileira. A revista norte americana Rolling Stone também pensa assim e escolheu Jobim da mesma forma. Pois ele foi um dos primeiros neste movimento musical que surgiu principalmente na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, ganhou corpo, cresceu com muitos adeptos e virou atração no mundo inteiro. Os japoneses que o digam... eles são loucos pela Bossa Nova e ainda hoje continuam curtindo-a com entusiasmo.

Publicidade
Publicidade

Até já aprenderam a compor neste estilo tipicamente carioca e com qualidade.

E eu, humilde jornalista interiorano do sul do Brasil, tenho uma vida inteira de paixão pela Bossa Nova (assim mesmo, em maiúsculas...), de tal forma que ouso sempre dizer que ela é minha... Paixão empedernida, paixão sólida como uma pedra de mil anos... Além de ser minha, ela me acompanha e preenche os vazios de meu cotidiano. Ouvir o Chico cantando Lígia, por exemplo, é um presente para meus ouvidos. Ou então me deixar levar pela sonoridade de Surf Board com Osmar Milito e seu grupo. Tanta gente boa que este movimento nos deu de presente para ilustrar e dar qualidade à música popular brasileira. E o João Gilberto com State cantada em italiano, você já escutou? Faço isso seguidamente, pois meus ouvidos e ainda mais minha sensibilidade necessitam da sonoridade, da harmonia e beleza que só a Bossa Nova nos pode dar.

Publicidade

Não entendo como este movimento foi suplantado pela mediocridade que tomou conta da música brasileira, pois ainda hoje muitas canções deste gênero continuam rodando por aí. Há inclusive uma emissora de televisão popular que coloca em quase todas suas novelas trilhas sonoras oriundas da Bossa Nova. Então, fica claro que este movimento consegue fazer sucesso junto ao público e de todos os níveis. Como entender então que esteja tão distante do mercado que explora a música no Brasil?

Bem isso são apenas conjeturas... O que é verdade e não poderá jamais ser contestado é que a Bossa Nova é minha... E se você gostou do meu texto e nunca prestou atenção nas músicas que formam este gênero, sugiro que comece a descobrir. Na internet mesmo existe uma incontável gama de informações sobre a minha Bossa Nova...