O filme "Cinquenta Tons de Cinza" nem  chegou aos cinemas e já anda causando alvoroço! Um grupo dos Estados Unidos vem chamando a atenção sobre o polêmico filme, lançando a campanha #50dollarsnot50shades ou "cinquenta dólares, não cinquenta tons".

O grupo é destinado ao combate da violência doméstica nos EUA. Embasado na história que será contada e nas cenas de violência que segundo alguns aconteceram durante as filmagens, o grupo levantou uma campanha em que ao invés das pessoas irem ao #Cinema assistir ao filme, depositem o valor, cerca de US$ 50 ou R$ 136, em uma conta de doações para mulheres que sofrem agressões domésticas e que estão vulneráveis.

Publicidade
Publicidade

A grande preocupação das organizações que se propõem a acabar com a violência contra a mulher é que algumas cenas que serão protagonizadas e visualizadas por milhões de pessoas podem ser passadas para a vida real, por meio de um comportamento que induza a relacionamentos e comportamentos abusivos.

Um dos participantes do grupo que é contra a exibição do filme disse que, na vida real, a protagonista do filme, Anastasia, geralmente tem outro destino. Pessoas que passam pelas supostas agressões mostradas no filme normalmente vão parar em abrigos, acabam mortas por seus parceiros ou se tornam vítimas de perseguição.

Dakota Johnson é a atriz que irá interpretar a personagem Anastasia, uma universitária que conhece Christian Grey, interpretado por Jamie Dornan. Ele a leva para conhecer um mundo de fantasias sexuais e o sadomasoquismo.

Publicidade

O enredo evidencia Anastasia como uma escrava sexual, se submetendo a sessões de dor e humilhação do sádico Christian Grey. Uma relação complexa e baseada no sadomasoquismo.

Grey passa a abrir seu mundo depois que conhece Anastasia, e ambos passam a partilhar de descobertas. Em momento algum Anastasia é obrigada a fazer qualquer coisa que não queira. Eis a pergunta: o filme não trata de erotismo e pornografia, nem incentiva a prática da violência não consentida. Por que tantos movimentos contra a exibição? Será que é por que a mulher passa a ser vista como alguém que também pode gosta de sexo, até mais do que homens? Ou talvez por que outras formas de prazer podem ser experimentadas?

O livro apresenta a história de um casal que passa a descobrir um lado sexual diferente, e que é prazeroso para ambos.

O filme estreia dia 13 de fevereiro! #Entretenimento