Nesta segunda-feira (02) as comemorações para a "salve, salve rainha do mar", começaram desde a madrugada em Salvador, na praia do Rio Vermelho. Os devotos são extremamente fieis às suas crendices e não deixam de comparecer para levar um presente para Iemanjá. Vale tudo: objetos diversos, objetos de estimação, flores, perfumes, dinheiro, espelhos, esmaltes e por ai vai, até umbigo de filho é oferecido. É uma variedade enorme de oferendas e o mar fica exageradamente carregado. Alguns preocupados com a poluição preferem levar flores, pois dizem que polui menos. É incrível como a crença religiosa está acima de qualquer grau de instrução. É gostoso de ver, é gostoso participar.

Publicidade
Publicidade

Para a rainha do mar, vale pedir, vale agradecer e é assim que os baianos e os turistas, impressionados pelo ritual, se dirigem perante o mar. Muitos soteropolitanos comparecem todos os anos e acabam arrastando até os céticos.

Saiba mais sobre o ritual

No Rio Vermelho existe a casa de Iemanjá onde devem ser deixadas as oferendas que serão entregues à rainha do mar. As pessoas se dirigem até a casa, que este ano foi aberta na véspera da festa (às 7 horas da manhã) para que as pessoas que não poderiam ir no dia levassem suas oferendas, antecipadamente. Entretanto, alguns devotos preferem ir "pessoalmente" até Iemanjá, pagando transporte para entrar no mar em pequenos barcos que ficam disponíveis, mediante quantia acima de R$ 15,00 por pessoa. A fila para entrar na casa de Iemanjá, em alguns momentos, é grande e assim vale a pena pagar.

Publicidade

As oferendas são retiradas da casa e colocadas no mar em torno das 16 horas e a 5 km da costa. Às 18 horas a casa de Iemanjá é fechada e os devotos, então, aproveitam para ser divertir nas ruas e bares do Rio Vermelho.

Visando evitar ciúmes na rainha da água doce, Oxum, algumas pessoas também se dirigem até o Dique do Tororó para levar oferendas.

Iemanjá, também conhecida por dona Janaína, princesa de Aiocá, Maria e Inaê, é homenageada por uma das mais tradicionais festas que ocorre desde 1923, quando a oferta de peixes da Vila dos Pescadores do Rio Vermelho foi reduzida e eles pediram ajuda à Orixá, ofertando presentes para ela, no meio do mar.

Não é só na Bahia que a rainha do mar é festejada. Em outras cidades do Brasil Iemanjá também é prestigiada, mas em datas diferentes. No Rio de Janeiro, por exemplo, ocorre junto com o Réveillon. Em São Paulo, no dia 8 de dezembro, dia também de Nossa Senhora da Conceição. Vale lembrar que no réveillon muitos baianos vão ao mar para levar oferendas e agradecer à Iemanjá. Odoiá, Iemanjá, Salve a Rainha do Mar. #Curiosidades #Religião