Sobre o texto de "Verdade Tropical", é reconhecido o talento literário do seu autor, que muitas vezes parece estar escrevendo um romance histórico ou uma ficção oriunda da sua cabeça. Outras vezes, Caetano Veloso assume o papel de crítico, cutucando intelectuais e obras artísticas da época. É obvio que não dá para abarcar tudo o que se passou nesse período, e acredito que essa não era a pretensão maior do autor, no entanto, dá para se ter uma noção muito boa de como foi complicado realizar atividades intelectuais e culturais nesse período no país, e de como pensava a esquerda nacionalista brasileira da época, muitas vezes, bastante contraditória.

Publicidade
Publicidade

Apesar de demonstrar segurança ao escrever seu primeiro livro, Caetano também parece um tanto um quanto ingênuo, deixando transparecer uma humildade nas palavras e uma busca exacerbada de se colocar sempre abaixo de quase todos os outros intelectuais que cita. Quando se refere a nomes como: Maria Bethânia, Gilberto Gil e Glauber Rocha, por exemplo, Caetano a todo o momento se considera menor nos quesitos astúcia (Bethânia), qualidade musical (Gil) e intelectualidade (Glauber). Essa humildade extrema pode cansar um pouco o leitor. No começo, a postura gentil do autor parece agradar, mas depois ocorre o estranhamento inevitável com quantidade de "auto-descrédito" realizado pelo autor.

Devido a isso, a fala do autor é, na verdade, uma versão, um ponto de vista de alguém apto a falar o que quiser sobre esse tema.

Publicidade

No começo soa bonito ser humilde e se colocar abaixo de outros contemporâneos, entretanto, ter um pouco mais de autoridade nunca matou ninguém, e é o que falta a Caetano muitas vezes no livro, sobretudo, quando ele se compara a outros artistas não menos talentosos, mas também não muito superiores a ele.

Por fim, é importante salientar a originalidade de Caetano Veloso ao criar, talvez, a mais literária das autobiografias dos últimos tempos no Brasil. O que também pode ser entendida como a mais crítica das historiografias, ou a mais historiográfica das críticas. As lembranças da sua primeira paixão adolescente, seu primeiro casamento, o clima dos festivais da canção, o seu exílio em Londres e tantas outras histórias de sua vida estão elegantemente registradas nesse livro.

Trata-se de um documento precioso sobre uma época, escrita por alguém que esteve na linha de frente desses anos conturbados e marcantes, que serviram de base para muito do que veio a existir como arte no decorrer das décadas seguintes nesse país. Caetano Veloso funciona no livro como um legitimador de sua própria fala, nos embebedando de cultura, como tanto já fez com muitas das suas belas canções. "Verdade Tropical" é leitura fundamental para todo pesquisador da história sociocultural e política do Brasil, além de ser um livro essencial para os apreciadores de uma boa leitura, ou não. #Música #Livros