Um clássico do #Cinema expressionista alemão foi assistido ao vivo na noite dessa terça-feira, dia 10 de março, no Sesc Bom Retiro.

O filme "Metrópolis", de Fritz Lang, foi visto por cerca de 150 pessoas que não tiraram os olhos da tela improvisada na Praça de Convivência do local.

Mais do que a oportunidade de assistir ao clássico, os espectadores puderam presenciar a execução da trilha sonora ao vivo. Isso mesmo, o pianista Tony Berchmans realizou um trabalho de improvisação sonora, utilizando-se de variações de temas originais de sua autoria, sempre em sincronismo com a ação e com os momentos marcantes do filme.

O público ficou emocionado. A experiência de ver um filme tão antigo, com roteiro tão atual e denso, com uma música profundamente inspirada produziu sensações únicas nos que estavam presentas na exibição.

O filme mudo de 1927 tem no enredo uma história que se passa em 2026, onde em uma grandiosa cidade vivem duas castas: os ricos intelectuais, que vivem na superfície, e os operários, que fazem todo o trabalho. Tudo se estremece quando o filho do magnata da cidade se apaixona por Maria, uma modesta professora.

A película tem como cenário uma cidade do século XXI, caracterizada pelas grandes arquiteturas e pela forma como as máquinas comandam os trabalhadores.

O Expressionismo Alemão ocorreu logo após o término da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), quando o país encontrava-se numa condição urbana e social extremamente caótica. Nesse cenário, a estética criativa da depressão se evidenciou nos meios artísticos e intelectuais. A pintura, a dramaturgia e o cinema foram as principais linguagens a se apropriar dessa estética.

A atração integra o projeto "Sombras Que Assombram", que apresentará ainda os seguintes clássicos: Nosferatu, de Friedrich Wilhelm Murnau, O Gabinete do Doutor Caligari, de Robert Wiene, O Golem,de Paul Wegener, e A Última Gargalhada, de Emil Jannings.

Além dos filmes, a programação também contempla a oficina "O Expressionismo Alemão no Cinema", que ocorre aos sábado. A atividade , que terá a orientação de Paulo Marcelo do Vale, visa analisar o movimento cinematográfico alemão a partir dos seguintes livros: De Caligari a Hitler, de Siegfried Kracauer, A Tela Demoníaca, de Lotte Eisner, Story, de Robert McKee e The Philosophy of Horror, de Noel Carroll.

O melhor de tudo é que a programação é totalmente gratuita e segue até o final do mês de março. Mais informações pelo portal do SESC SP.