Dentre as inúmeras características da poesia marginal está a multiplicidade temática de seus poetas, que sempre "abriam" seus versos para infinitas interpretações. No caso, por exemplo, do poema: 'Papo de índio', de Chacal, o poeta insere uma linguagem atribuída aos índios, trazendo o tema do regionalismo. Já em: 'Praça da república dos meus sonhos', de Roberto Piva, é realizada, com sarcasmo, uma crítica à sociedade brasileira.

É possível haver também, um poema que fale sobre a impossibilidade de se encontrar no estranho mundo (Ana Cristina Cesar), uma reflexão sobre o fim do subjetivismo na poesia (Cacaso), uma ruptura da forma (Waly Salomão), ou uma análise sobre a importância da linguagem (Paulo Leminski).

Publicidade
Publicidade

Daria para citar várias outras temáticas dessa geração: amor, paixão, erotismo, liberdade poética, crítica ao cânone, etc.

Outra característica marcante é a ruptura com as formas clássicas de verso, como o soneto. Quase todos os poemas são formas livres, na busca incessante por uma liberdade poética. Entretanto, há uma contradição no discurso do novo, bastante defendido pelos poetas marginais, que acreditavam estar criando algo absolutamente original. O que muitos deles não percebiam é que, para que esse "novo" nascesse, foi preciso ter existido antes um modelo a ser superado, já havendo, nessa superação, um diálogo com a tradição.

Marginal x Clássicos

Na poesia marginal, é possível encontrar versos, nos quais, poetas do passado são citados, seja ironizando suas áureas de deuses, seja desabafando sobre a pressão que sofriam ao escrever, pois, sucederem os chamados "poetas clássicos" da #Literatura brasileira, como Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto.

Publicidade

Por mais que uma Ana C. buscasse superar um Drummond, somente aí, ela já estava travando um diálogo com o passado, deixando de ser, sua obra, absolutamente nova.

Há ainda um universalismo do tempo, bastante comum nos versos desses poetas. Tal conceito representa a perda do sentido convencional dos tempos passado, presente e futuro. O tema da poesia moderna, onde os marginais estão inseridos, dialoga com os três tempos, podendo ser compreendido por diferentes pessoas, em diferentes épocas. Os versos dos poetas marginais dos anos 70 podem ser lidos atualmente e soarem bastante atuais, da mesma forma que podem apresentar semelhanças com poemas que os antecederam.

A partir daí, entende-se um dos conceitos essenciais da poesia moderna: a abertura do poema para as várias outras interpretações do leitor. Diferente da poesia clássica, que permitia apenas uma interpretação, a do autor, na poesia moderna a compreensão se torna múltipla, no entanto, não de forma aleatória, ocorrendo a partir das deixas do poeta. A poesia marginal caracteriza muito bem esse último conceito, pois, está inserida no contexto de luta por aberturas, sendo essa uma das conquistas dessa geração. #Livros