Pérolas como "De nuestros miedos/nacen nuestros corajes/y en nuestras dudas/viven nuestras certezas. Los sueños anuncian/otra realidad posible/y los delirios otra razón./En los extravios/nos esperan hallazgos,/porque es preciso perderse/para volver a encontrarse." mostram sua refinada sensibilidade. Galeano não é somente "As Veias Abertas", é muito, muito mais.

Aliás, ele repudiou sua obra mais famosa por reconhecer uma prosa arrastada e dados históricos falhos. Não importa, as denúncias da exploração dos países latino-americanos, primeiro pelos europeus e depois pelos EUA, tem fundamentos históricos calcados em fortes bases.

Publicidade
Publicidade

Primeiro, a colonização predadora de Espanha, Portugal, França, Holanda e Reino Unido. Depois, a hegemonia dos EUA em Cuba, Porto Rico, anexação de parte do México. No pós-guerra, subjugando politicamente (e comercialmente) as Américas.

Depois, por conta da Guerra Fria, fomentando ditaduras e treinando torturadores do Chile à América Central, com direito também de nunca sair da Base de Guantánamo dentro de Cuba.

Mais modernamente, por obra de Carter, influindo no desmonte dessas mesmas ditaduras, incomodamente nacionalistas e fechadas ao mercado dos EUA.

Mais recentemente, incentivando a eleição e cooptando ex-líderes de esquerda, como Fujimori e Fernando Henrique para abrirem seus mercados e vender a preço vil seus patrimônios, à guisa de modernização baseada nas privatizações.

Publicidade

E ai agindo, abrindo a arca do tesouro, não só para os EUA, mas também para os capitais europeus, numa neo-colonização por toda a América.

As influências dos grandes conglomerados multinacionais na geopolítica das Américas é constante e inescondível, sempre buscando sangrar os antigos subdesenvolvidos. #História

Como ilustração, o caso da Petrobrás, que desde a descoberta das imensas reservas do pré-sal, parece um gigante perseguido e atacado por hienas famintas, onde protestos urbanos são fomentados, o preço do petróleo coincidentemente é derrubado, por obra da declaração da existência reservas dez vezes maiores nos EUA e pressões políticas, para impedir países latino-americanos de se unirem em objetivos comuns, alegando razões democráticas para retomar o policiamento de nações soberanas. Mesmo com imprecisões históricas, devemos lembrar Galeano por suas pérolas literárias, mas também por "Veias", este legado inestimável.