O Instituto Tomie Ohtake em São Paulo receberá no mês de setembro a mostra: "Frida Khalo e as mulheres surrealistas do México", na qual, estarão expostas obras das pintoras, como: Remedio Varo, Lenora Carrington e Maria Izquierdo, entre outras. A mostra já havia sido confirmada para o segundo semestre, porém, sem ainda a divulgação oficial do mês.

Frida Khalo

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón nasceu em Coyacán, México, no dia 6 de julho de 1907 e morreu no mesmo lugar em 13 de julho de 1954. Filha de Guillermo Kahlo e Matilde Calderon y Gonzales, Frida sempre foi muito próxima e apaixonada pela cultura mexicana de sua mãe, embora fosse mais ligada ao pai, que era fotógrafo.

Publicidade
Publicidade

Sua vida foi marcada por tragédias, começando aos seis anos, quando teve poliomielite. A doença deixou como sequelas uma lesão em um dos pés e uma das pernas mais fina que a outra. Seus vestidos longos e calças muito têm a ver com esse fato, embora ela não se abalasse por isso: "Para que preciso de pés, se tenho asas para voar?", dizia.

Aos 18 anos outro fato marcante, um acidente de bonde que a deixou de cama entre a vida e a morte por vários meses e obrigou a muitas cirurgias, pois foi perfurada em várias partes do corpo. Durante a recuperação, começou a pintar, deitada mesmo: Autorretrato em vestido de veludo, de 1926. Esse foi o primeiro dos muitos autorretratos que ela faria.

Aos 22 anos casou-se com o pintor Diego Rivera, também mexicano e membro do Partido Comunista, assim como ela, com quem teve uma relação conturbada e problemática.

Publicidade

Ambos colecionavam muitos casos extraconjugais, sendo que Frida era bissexual assumida e teve inúmeros amantes, homens e mulheres. Foi morar nos Estados Unidos com o marido, onde teve sua primeira exposição individual em Nova York, em 1939.

Sua obra retratava muito da cultura mexicana e sua #Arte folclórica indígena asteca, mas não deixava de lado os movimentos de vanguarda artística europeia e o marxismo. Em 1938, tendo conhecido André Breton, o especialista qualificou sua obra como surrealista, mas a artista respondeu que "Pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade".

Seu maior legado, além das obras artísticas, é o estilo de vida e a liberdade de ser mulher. Sua força a fez ser do jeito que queria e ganhar tamanho reconhecimento em uma sociedade que ainda tratava as mulheres como seres menos capazes. Ela até hoje é inspiração para mulheres de todos os lugares e idades. #Curiosidades