O Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, que foi fundado há 50 anos, ainda tem sua nova sede em construção, na Avenida Atlântica, em Copacabana, Rio de Janeiro.

A inauguração era prevista para 2014, mas, provavelmente a realização da Copa do Mundo de Futebol atrasou os planos do Governo do Estado, que tem o projeto numa parceria com a Fundação Roberto Marinho.

Além das Organizações Globo, outros patrocinadores são o Itaú, a Natura, a Vale, IBM, Ambev e Light, além do apoio do Grupo Votorantim e do financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Talvez 2015 seja mesmo o ano ideal para a inauguração da nova sede, pois além do aniversário de 50 anos, coincidirá com a comemoração dos 450 anos de aniversário do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

O museu terá sete pavimentos como salas de exposição, salas para atividades, teatro, cinema com 280 lugares, além de lojas, bar, restaurante panorâmico e o terraço, que funcionará como mirante para o mar - com direito a um amplo gramado e um cinema a céu aberto.

O bairro de Copacabana foi escolhido, segundo a Secretária de Cultura, Adriana Rattes, "por estar intimamente ligada ao caráter plural do bairro, um dos cartões postais mais conhecidos no mundo. O bairro é de fácil acesso, recebe um grande contingente de visitantes e ainda serviu de inspiração para músicos, escritores, artistas plásticos, pensadores e fotógrafos cujo trabalho moldou a cultura do Brasil”.

A presidente do MIS, Rosa Maria Araújo, declarou que “o Rio é a capital da cultura que, desde os seus primórdios, concentra a indústria criativa brasileira. No projeto, procuraremos mostrar as características do povo e da cidade. O humor, o samba, a bossa nova, o carnaval, o chorinho”.

Publicidade

No novo MIS, será incorporado o acervo do Museu Carmen Miranda, atualmente instalado em um pequeno prédio no Parque do Flamengo, pouquíssimo frequentado e praticamente abandonado hoje em dia. Certamente ganhará um novo fôlego.

Com um custo de 100 milhões, a futura sede do Museu da Imagem e do Som tem 9,8 mil metros quadrados de área, e anteriormente fora ocupado pela Discoteca HELP!, um dos points mais frequentados pela juventude carioca dos anos 80.

O arquiteto Silvio Oskman, do escritório Metrópole Arquitetos, de São Paulo, foi o vencedor do concurso nacional da arquitetura que elegeu o projeto para o novo edifício do Museu da Imagem e do Som.

Certamente, o Museu da Imagem e do Som não será apenas um centro de documentação e pesquisa, mas também um museu moderno, atraente, localizado num belo e bem acessível bairro, e será mais um point cultural de nossa cidade. #Música #Rio Cultura #Arte