Para dar fim aos péssimos indicadores de leitura no país, o poder público se organiza no sentido de criar políticas que possam fomentar essa prática no Brasil, sobretudo entre os jovens. Entre as iniciativas previstas está a consolidação do Fundo Nacional Pró-Leitura (FNPL), que prevê o apoio à produção, edição, distribuição em parceria com bibliotecas públicas e a venda de #Livros.

Também está em processo de análise a Política Nacional do Livro, que se trata de um projeto de lei que regulamentaria o preço das obras vendidas. No final do mês de junho, uma audiência pública foi realizada para tratar dos detalhes da criação do FNPL. Financeiramente, o fundo seria abastecido por recursos oriundos do Tesouro Nacional, doações, subvenções e auxílios de companhias brasileiras e do exterior.

Publicidade
Publicidade

O deputado federal Rafael Motta (PROS-RN) entregará neste presente mês de julho o relatório do projeto de lei que institui o FNPL para apreciação da Comissão de Educação. Motta é vice-presidente da Frente Parlamentar do Livro, da Leitura e Biblioteca. Na audiência, ele esteve acompanhado por Suzete Nunes, da subdivisão de literatura do Ministério da Cultura (MinC), que, mesmo ao fazer ressalvas no que diz respeito aos recursos, reconheceu a importância da efetivação do projeto.

“Nós precisaremos de recursos de forma permanente, que não se tornem dependentes dos orçamentos de cada localidade. Tendo um fundo tanto para o livro como para a literatura em geral, aplicaremos da melhor forma os recursos de modo descentralizado e igualitário entre as regiões do Brasil. O ponto de partida que temos é muito bom, mas precisamos fazer todos os ajustes necessários”, avaliou Suzete.

Publicidade

A operacionalização das regras a serem geridas pelo fundo para bibliotecas e livrarias ainda é um ponto que os parlamentares entendem que precisa ser melhor ajustado. De qualquer forma, o auxílio do poder público, por mínimo que seja, torna-se imprescindível quando os índices de atividades culturais elementares e indispensáveis reduzem drasticamente. #Governo #Crise