Além da postura libertina de Cazuza, que emanava uma busca por liberdade bem propicia àqueles tempos de fim de Ditadura Militar no Brasil (1964-1985), a postura crítica do poeta e musico carioca também era evidente, sobretudo, em suas letras. A força das composições de Cazuza é tão grande que ainda ressoa no atual momento político e social que o Brasil vive, cada vez mais conturbado, com o crescimento de fundamentalismos religiosos ortodoxos, casos de corrupção no governo, dentre muitos outros problemas.

De, pelo menos 1982, mas, principalmente, a partir de 1983, até o ano de sua morte, em 1990, Cazuza escreveu letras que variavam entre temas como: amor, paixão, desejo, liberdade, solidão, culpa, felicidade, vida noturna, dentre outros temas do cotidiano de um jovem roqueiro burguês, até letras mais críticas e verborrágicas, que se preocupavam com a humanidade de uma forma em geral.

Publicidade
Publicidade

Essa última fase ficou mais acentuada depois que o musico descobriu que estava com AIDS, durante a segunda metade da década de 1980.

Letras de canções como: "Blues da Piedade", "O Tempo Não Para", "Brasil", "Ideologia", "Cobaias de Deus", dentre muitas outras de Cazuza, podem facilmente serem associadas a temas e problemas da atualidade, o que evidencia, ainda mais, a genialidade desse grande poeta brasileiro. #Música