O Mosteiro de São Bento, localizado no distrito de Mussurepe é um dos edifícios mais antigos construídos na Baixada Campista. Sua construção iniciou na metade do século XVII, por volta de 1636, e foi concluída apenas ao final do século XVIII. O conjunto arquitetônico que é formado pelo convento, capela e cemitério, é atualmente a sede da paróquia de Nossa Senhora do Rosário e administra 35 capelas em seu entorno.

O presidente do Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural – COPPAM, Professor Orávio de Campos Soares, informa que em 1965, um incêndio destruiu parte da #Igreja juntamente com seu mobiliário.

Publicidade
Publicidade

“O Mosteiro de São Bento é um dos templos campistas mais antigos. Foi construído pelos beneditinos no final do século XVII, logo quando chegaram a Campos. Suas paredes são de cal e adobe cozido. Na igreja havia retábulos de talha no altar mor, com imagens de cedro, estofados em ouro e prata. Os aviamentos para dourar a telha, vieram de Lisboa e a Nossa Senhora do Rosário era adornada de brincos, afogadores e braceletes todo cravado de esmeraldas e diamantes. Na torre, havia dois sinos, ornatos e catavento de cobre além da cruz de madeira, que davam acabamento ao edifício” explica Soares.

De acordo com o artigo 15, da Lei nº 7.527, de 19 de dezembro de 2003 e alterada pela Lei nº 8.151, de 26 de março de 2010, o prédio foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural do município como forma de preservar e deixar para a posteridade traços culturais e históricos do município.

Publicidade

“Tendo em vista o significativo valor histórico, arquitetônico e cultural do Mosteiro de São Bento, para a história de Campos dos Goytacazes, e com base no artigo 73, inciso VIII da Lei Orgânica Municipal, achamos por bem, tombar o imóvel para preservar esse marco referencial da cultura religiosa de Campos”, disse o presidente.

História – A relação dos beneditinos para com a história dos Campos dos Goytacazes é longínqua e cheia de lances de disputas jurídicas, uma vez que, em alguns lugares da Baixada Campista o historiador se depara com marcas em pedras que mostram os limites do território ocupado por esses frades. Pedras marcadas com o símbolo beneditino foram encontradas em Campo Limpo e nos limites da Barra do Furado. Outras pedras recolhidas atualmente encontram-se expostas no Arquivo Público Municipal conhecido também como Solar do Colégio.

Lenda – Moradores do distrito de Santo Amaro relataram que a imagem de Santo Amaro, que surgiu no local onde hoje está erguida a Igreja havia desaparecido por duas vezes do Mosteiro de São Bento, localizado em Mussurepe.

Tombamento – O prédio é tombado como Patrimônio Histórico Cultural e Religioso através da Resolução nº 004/2012, publicado no Diário Oficial de 14 de março de 2012. #Turismo