Um e-mail bastante polêmico vazou nesta sexta-feira, 30, e, imediatamente, causou bastante “reboliço” nas redes sociais. Trata-se de um recrutamento de atores para o elenco da série “3%”, que será a primeira produção totalmente brasileira feita para o serviço de vídeos Netflix

No e-mail, a empresa que realiza a seleção, a +Add Casting, afirma estar em busca de um ator negro, que tenha entre 20 e 25 anos. Porém, ainda segundo os pré-requisitos solicitados pela empresa recrutadora, é preciso que este candidato, negro, seja muito bonito.

A partir daí, o e-mail fala em um “grau de dificuldade” para se encontrar um candidato negro com esta característica, ou seja, “muito bonito”, afirmando que, por conta desta dificuldade, serão realizados também testes com outros atores que não sejam negros.

Publicidade
Publicidade

Após a divulgação do caso na internet, uma enxurrada de críticas foi feita por internautas no país, acusando os responsáveis pelo e-mail de racistas. A +Add Casting recebeu diversos comentários negativos em sua página no Facebook, e logo se defendeu, alegando que o conteúdo da mensagem foi mal interpretado pelas pessoas.

De acordo com a empresa, uma parte bem pequena do seu casting é formada por pessoas que se declaram negras, e seria esta a dificuldade relacionada no e-mail. Entretanto, a resposta parece não ter convencido a maioria dos internautas, que continuou com as críticas até o fim do dia.

Percebendo a gravidade da situação, que tomava proporções maiores a cada nova crítica, e com os principais veículos de comunicação do país já divulgando o caso, a Netflix emitiu uma nota afirmando lamentar o ocorrido e garantiu que o e-mail foi enviado sem a aprovação do serviço.

Publicidade

Além disso, afirmou também que as devidas providências serão tomadas.

Racismo x Ditadura do Politicamente Correto

Um fator que também chamou a atenção com relação a este caso foi que algumas pessoas defenderam a empresa acusada de racismo, afirmando que se tratava de mais uma manifestação de uma suposta “ditadura do politicamente correto” que, segundo alguns internautas, assola o Brasil atualmente.

No entanto, para o sociólogo Jaime Pondé, existe um racismo camuflado na sociedade brasileira, que faz com que algumas pessoas não enxerguem este #Crime claramente em algumas situações, como neste caso do e-mail da Netflix.

“Eu acompanhei alguns comentários na internet e quase todos estavam certos, pois, trata-se sim de mais um caso de racismo. As pessoas que falam em ‘ditadura do politicamente correto’ não estão erradas, isto, de fato, tem ocorrido com frequência no Brasil, mas, no caso específico desse e-mail da Netflix, não se aplica”, diz.

“Quem lê a mensagem percebe claramente que a empresa fala em dificuldade de se achar um negro ‘muito bonito’, e isso é racismo sim, pois fica implícito que, para quem enviou o e-mail, este perfil procurado não faz parte do padrão hegemônico de beleza, o padrão branco”, afirma Jaime.

Publicidade

“Seria um caso de ‘ditadura do politicamente correto’ se, por exemplo, alguém chamasse a pessoa negra de ‘negão’, como homens negros comumente são chamados nas ruas por amigos, e alguém dissesse que não pode mais chamar o cara assim porque agora isso é racismo. O caso do e-mail é outro. Estamos falando de anos de soberania da estética branca e excludente na cabeça das pessoas”, explica.

“Crescemos em uma sociedade que impõe às pessoas que o belo é o branco. Isso é tão enraizado nos seres humanos que alguns deles podem se deparar com um caso, como este do e-mail, e se espantar por não ver o racismo que os outros estão vendo, mas que está ali sim, tentando se camuflar”, conclui o sociólogo. #Seriados #Blasting News Brasil