Hoje, 3 de novembro, se celebra a instituição do direito e do voto feminino (1930) em meio à discussões nas redes sociais, que começou com o ENEM e continuou com as manifestações contra o Presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) deste ano trouxe à tona uma grande discussão sobre feminismo nas redes sociais. A questão que citava a filosofa Simone de Beauvoir e o tema da redação “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira” estavam no centro da polêmica.

Simone de Beauvoir é uma das principais escritoras feministas citadas ainda hoje. Filosofa existencialista, Simone provocou grande polêmica este ano por causa de uma citação de uma obra sua, ‘O Segundo Sexo’ (1949), que esteve presente no ENEM.

Publicidade
Publicidade

A frase “Ninguém nasce mulher: torna-se.” foi alvo de críticas de políticos, religiosos e outras pessoas que tentaram entrar na discussão de gênero.

Simone afirma que a mulher, como ser social, diferente de ‘fêmea da espécie homo sapiens’, é uma construção social e que o papel da mulher na sociedade não é definido por questões biológicas ou psíquicas, mas sim, como um produto da civilização. Além de Beauvoir, há outras escritoras que trouxeram para a #Literatura uma mulher que foge do estereótipo de “donzela em perigo à espera do príncipe encantado”. Confira:

Margaret Atwood

Entre suas principais obras, destaca-se ‘A Odisseia de Penélope’. Atwood reconta o famoso rito focando sua narrativa, não no marido que viaja, mas na mulher que tece. Atwwod faz uma nova leitura de Penélope, que antes representava a obediência feminina e agora renuncia à passividade.

Publicidade

Angela Carter

Carter reconta, em seu livro ‘103 Contos de Fadas’, sob o ponto de vista feminista, os contos de fadas. As mocinhas indefesas se tornam as protagonistas de suas próprias histórias, o que muda completamente o sentido das histórias.

Lygia Fagundes Telles

Formada pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco ainda nos anos de 1940, tem um papel importante no feminismo nacional. Seu livro ‘As Meninas’ foi escrito e publicado em plena ditadura militar e traz a história de três meninas em meio às pressões da época.

Toni Morrison

É conhecida por seus fortes romances que trazem experiências de mulheres negras nos Estados Unidos. Sua obra mais conhecida, ‘Amada’ (1987), que conta a história de uma ex-escrava, lhe rendeu o Pulitzer de Melhor Ficção. Morrison recebeu o Nobel de Literatura em 1993.

Gabriela Mistral

A chilena é a primeira representante da América Latina a ganhar o Nobel de Literatura, vencendo em 1945. Os temas centrais de seus poemas são o amor de mãe, mágoa, memórias dolorosas e recuperação. Em 1923, publicou ‘Lecturas para Mujeres’. #Arte #Blasting News Brasil