Todo gestor tem como principal característica a tomada de decisão. É preciso pesar as vantagens e desvantagens de cada alternativa buscando o melhor desempenho. É um processo que envolve critérios, formas, analises e alternativas .O texto de Beatriz Tenuta Araujo e Ana Maria Roux V.C.Cesar, abordam de maneira criativa e descontraída o processo da tomada de decisão pelo enfoque  da racionalidade (ou não) do decisor. Qual a sua percepção sobre o assunto? Tomar decisões faz parte da rotina de qualquer pessoa, partindo de escolhas simples (como decidir sua refeição de café da manhã ou qual filme assistir) até escolhas mais estruturadas (definir uma carteira de ações ou escolher qual imóvel adquirir). 

Em ambientes de negócios as decisões são consideradas como sendo racionais.

Publicidade
Publicidade

Isso sugere: 1) As pessoas possuem a capacidade de visualizar todas as possibilidades (ou alternativas) envolvidas em uma decisão; 2) Todas as alternativas são analisadas segundo critérios claramente estabelecidos; 3) A escolha da melhor alternativa deve atender aos critérios de maior utilidade e maior valor agregado. Nessa perspectiva o decisor seria capaz de listar os resultados positivos e negativos que poderiam advir de suas ações.

Todavia, na prática, é possível observar que nem sempre isto acontece. Muitas decisões são tomadas com base no que o decisor considera que seja seu feeling, uma sensação de que essa seja a resposta certa para um determinado momento, não sendo o decisor capaz de explicar os passos que o teriam levado a essa decisão. Na verdade, o feeling é a expressão de aprendizagens passadas, ou seja, o uso de conceitos ou de processos que o decisor sabe, mas que não tem consciência disto (“não sabe que sabe”).                                                                                                                  

Além dos aspectos subjetivos, o decisor sofre a influência do ambiente no qual ele toma a decisão.

Publicidade

Muitas vezes ele decide em situações de incerteza nas quais não há informações precisas para subsidiarem a decisão. É um quebra cabeça com muitas peças faltando. Nessas situações as pessoas usam algumas estratégias para decidir, denominadas heurísticas. Essas são consideradas “atalhos” para uma decisão porque utilizam regras simplificadas para escolha de alternativas, como por exemplo: 1) Tomar uma decisão com base em fatos recentes; 2) Usar como padrão de resposta uma situação semelhante que tenha acontecido em um passado recente; 3) Considerar uma série histórica de resultados passados para prever o resultado futuro.

Além desses atalhos, a decisão também é disparada por alguns gatilhos emocionais que podem gerar respostas rápidas, mas não controladas, e por vezes, ilógicas, quando analisadas posteriormente. Em situações dessa natureza considera-se que a impulsividade tenha entrado em ação, “atrapalhando” a acuidade do resultado final da decisão. Mas, impulsividade é sempre um aspecto negativo da decisão?

Pouco se fala sobre o aspecto positivo da impulsividade, especialmente em situações nas quais uma pessoa precisa reagir rapidamente.

Publicidade

Em situações de decisões simples, ou naquelas onde o indivíduo já possua um ‘pano de fundo’ que possa contribuir para a tomada de decisão, a impulsividade atua como um fator que ocasiona agilidade ou eficiência. A impulsividade pode ser a expressão da expertise e o disparador do uso de heurísticas; sendo assim, pode ser fundamental em algumas situações organizacionais. 

  #Finança #Crise econômica