Seus méritos na #Literatura vão além de sua qualidade como escritor: também traduziu obras do português para o inglês e vice-versa, além de ter escrito originalmente em Inglês três de suas obras. Uma das memoráveis marcas de seu trabalho são os seus heterônimos, como Ricardo Reis, Álvares de Campos e Alberto Caeiro. A obra do poeta português Fernando Pessoa (1888 -1935) parece sempre se inovar, mesmo após tantos anos de sua morte. Recentemente, foi reproduzida em quadrinhos pelo importante trabalho do gaúcho Eloar Guazzelli, lançado pela Editora Saraiva. No ano passado, a exposição pernambucana "Fernando Pessoa - Uma Coleção" lembrou a trajetória do poeta aos oitenta anos de sua morte.

Publicidade
Publicidade

Mas dessa vez a sua obra literalmente volta à cena apresentando "novos velhos" trabalhos.

Uma caixa com cerca de 2000 documentos foi encontrada pelos filhos do pesquisador britânico Hubert Jennings, um dos mais assíduos estudiosos da obra do poeta lusitano, e um de seus primeiros biógrafos. A descoberta foi feita em Julho do ano passado, na garagem de uma casa na África do Sul, onde Pessoa viveu sua infância e parte da juventude.Tratada até então com critérios de discrição, a notícia foi enfim revelada publicamente. Os documentos foram enviados para a Universidade Brown, nos Estados Unidos, instituição que destaca em suas instalações um importante centro de estudos de Literatura da Língua Portuguesa, que comporta nomes lusitanos e brasileiros.

O acervo revela manuscritos muito importantes de Pessoa.

Publicidade

Entre ensaios, poesias e anotações do autor foram encontradas muitas correspondências também. O material foi "catalogado" por Hubert Jennings ao longo dos anos. Entre as correspondências estão cartas dos irmãos (ou meio irmãos) de Pessoa, em alguns casos entregues ao pesquisador pela própria irmã do poeta.

O acervo que Hubert Jennings guardava,ficou desconhecido por décadas. Entre os "tesouros", está o livro "The Poet of Many Faces", que apresenta uma compilação de poemas escritos em Inglês por Fernando Pessoa, organizados pelo próprio pesquisador,  que criou o volume. Estima-se pelo menos um ano para que se possa compreender e catalogar todo o material, dadas as dificuldades de alguns fragmentos, assim como a própria caligrafia de Pessoa. Mas afinal, quem era Hubert Jennings?. O inglês se interessou tanto pela obra de Pessoa que mudou-se para Portugal a fim de estudá-lo melhor. Quando os filhos dele procuravam um local para o espólio do pai, bateram exatamente na residência africana, onde os documentos haviam sido guardados por ele. Hubert Jennings faleceu há 23 anos. #Livros