Promover a Cultura e colocá-la como eixo principal na construção de iniciativas para jovens, adolescentes e diversos públicos pelo mundo envolvendo a arte, educação, esporte e tecnologia. Este foi um dos motivos que levou o Papa Francisco a convidar um historiador brasileiro e sua esposa para participarem de um congresso no Vaticano.

O Papa teve contato com o projeto Cultura Viva, idealizado por Turino, quando era arcebispo em Buenos Aires e ao iniciar uma ação chamada Escolas de Vizinhos. 

O Projeto Cultura Viva (Pontos de Cultura), política pública inovadora que destinou recursos diretamente para entidades não governamentais, coletivos e grupos culturais, investiu recurso público diretamente em agentes de transformação social, com pequenos valores mensais em dinheiro por três anos para execução de projetos coletivos e comunitários.

Publicidade
Publicidade

Esta história foi transformada em livro chamado Ponto de Cultura - O Brasil de baixo para cima, que foi traduzido para o inglês e espanhol, e a versão latina chegou as mãos de Francisco.

COOPERAÇÃO MÚTUA

No dia 03 de fevereiro, na residência oficial de Santa Marta no Vaticano, o historiador e escritor Célio Turino e a professora universitária Silvana Bragatto terão um encontro para a assinatura de termo de acordo entre a experiência da Cultura Viva Comunitária na América Latina e o programa Scholas Ocurrentes, criado por Francisco.

CULTURA VIVA

A experiência desenvolvida no Brasil alcançou mais de 3.000 Pontos de Cultura, em 1.100 municípios, beneficiando mais de 8 milhões de pessoas em todo o país e acabou sendo replicada em mais de 20 países, sobretudo na América Latina. Também teve estudos e teses acadêmicas desenvolvidas em diversos idiomas.

Publicidade

SCHOLAS OCURRENTES

O projeto criado por Papa Francisco surgiu com o objetivo de promover a integração social por meio da educação, esportes, cultura e tecnologia atuando juntas na criação de oportunidades de desenvolvimento social e humano. O projeto nasceu na Argentina e Francisco ampliou para o restante do mundo, onde a #Igreja católica está presente.

Célio Turino foi Secretário de Cultura de Campinas (SP), atuou como Secretário Nacional de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura entre 2004 e 2010 durante o governo Lula.  

Direto de Roma, Celio relatou que a proposta deste convênio prevê a sistematização das mais diversas experiências de cultura, #Arte, educação e transformação social a partir de uma respectiva comunitária, produção de um livro e filme documentário, realização de um congresso, no Vaticano, para a consolidação destas experiências, em que serão chamados chefes de estado, ministros militares e de educação e lideranças de diversas religiões para debater o papel da arte na transformação social e cultura de convivência e paz.

Publicidade

Célio espera que do acordo resulte propostas similares ao Cultura Viva, onde agentes jovens de cultura cidadã tenham a opção de passarem por  formação comunitária em arte, ambiente, esporte e lazer, com prestação de serviços as suas comunidades e recebendo uma bolsa para isso. Esta opção, segundo ele, pode substituir o alistamento militar, por exemplo.

Turino prevê também que seja possível a criação de Pontos de Encontro (como um ponto de cultura) por todo o mundo, que ficarão encarregados da formação dos agentes jovens de cultura cidadã.

QUEM SÃO

Célio Turino e Silvana Bragatto acadêmicos, ativistas culturais e entusiastas de movimentos sociais sustentáveis e integradores. Na política, apoiaram na criação do Partido Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, e atuaram na fundação do Partido Raiz Cidadanista, sigla que defende a filosofia do Ecossocialismo, Ubuntu, Teko Porã e Consenso Progressivo. #Literatura