Romeiros de todo o Brasil costumam se reunir na 4ª cidade mais antiga do país, São Cristóvão, que fica no estado de Sergipe, para através da sua fé, pedir a Deus por interseção do Nosso Senhor dos Passos um milagre daquilo que a medicina não conseguiu fazer.

A cidade fundada em 1590, e que foi a capital do estado por mais de dois séculos preserva um belíssimo patrimônio histórico formado por igrejas, monumentos, casarios, e museus com seus ricos acervos. Mas o objetivo deste encontro se faz devido uma lenda onde diz que milagrosamente foi encontrada boiando sobre as águas do Rio Paramopama, que banha a cidade de São Cristóvão, um caixão de madeira e nele a sagrada imagem de Nosso Senhor dos Passos.

Publicidade
Publicidade

  A imagem se encontra presente na Capela da Ordem Terceira do Carmo, que por muitos anos foi chamada de Carmo Pequeno, e graças a este milagre, passou a ser denominada de Igreja Senhor dos Passos. Um Santuário cheio de esperanças onde milhares de romeiros todos os anos no período da Quaresma se reúnem em demonstrações de fé, consolo, e humildade, em busca de alcançar a graça. A programação se dá em três dias, com diversas missas e procissões, a população aguarda ansiosa este momento onde devotos iram lotar as ruas da cidade, por isso enfeitam as casas com flores, imagens, e principalmente o manto roxo que representa a veste do santo.

  Mas o dia mais aguardado mesmo é no segundo Domingo da Quaresma, onde a procissão faz a representação do sofrimento de Cristo, e do encontro com a sua mãe Nossa Senhora.

Publicidade

A peregrinação ao longo dos anos viveu algumas mudanças, como a exemplo do canto, onde toda a procissão era realizada em silêncio, e o canto somente acontecia no passo. Porém o sentimento dos devotos ainda são iguais, e diversos rituais marcam este momento de grande emoção.

  Emoção que acabou transformando-se em uma preciosa coleção de ex-votos, e onde na igreja em que esta o santo, fica anexo o museu chamado museu dos ex-votos. O museu que foi inaugurado em 1º de janeiro de 1990, quando a cidade comemorou o seu quarto centenário de fundação, guarda inúmeros objetos, alguns ate muito antigos, como do século XIX, são fotografias, esculturas em madeira, pedra e cerâmica, livros entre outros; é a representação da graça alcançada, como a cura de alguma doença, recuperação de algum membro do corpo, ou mesmo o simples fato de conseguir aprender a ler.  #Turismo #História #Religião