Estará disponível até o dia 28 de fevereiro de 2016 ao público paulistano, a mostra “AquiÁfrica”, onde podem ser apreciadas obras sobre o que há de mais atual produzido por pintores, fotógrafos, escultores, “videomakers”, cineastas, desenhistas e instaladores de diversas partes do continente africano.

São treze artistas de várias gerações e das mais variadas regiões da África que abordam temas e questões como imigração, consumo desenfreado, ódio racial, xenofobia, tradições culturais e círculos viciosos que vigoram nas estruturas de poder e na política.

Para dar um gostinho de querer visitar, uma das obras que vieram para o Brasil é do camaronês Barthélémy Toguo que se intitula “Estrada para o Exílio”.

Publicidade
Publicidade

A instalação contém um barco de mais ou menos 8 metros de comprimento que flutua sobre um mar de garrafas PET, aludindo às embarcações minúsculas em sua capacidade para tantos imigrantes que se arriscam por uma vida melhor ao atravessar o Mar Mediterrâneo e chegar à Europa.

“A #Arte contemporânea africana suscita uma questão de identidade. Se a arte tradicional continua fortemente ancorada no mundo e no ser africano, a nova arte se desenvolve favorecendo uma identidade social compartilhada. Os artistas africanos buscam inspiração tanto nas tradições do continente quanto na realidade urbana em mutação. Definir a arte africana hoje é definir a própria África”, diz a curadora Adelina Von Fürstenberg.

Além do artista camaronês citado acima, outro, vindo do Senegal (Omar Ba) veio ao Brasil para conferir a inauguração da exposição.

Publicidade

Em relação ao pintor senegalês, sua obra é bem colorida com predileção ao fantástico e, às vezes, ao caótico, relatando de forma crítica o que se passa no mundo político da África.

Há também outros artistas de representatividade como Frédéric B. Bouarbé, da Costa do Marfim, considerado um dos artistas africanos mais originais e descoberto em 1989 em Paris, o congolês Chéri Samba e o cineasta da Mauritânia Abderrahmane Sissako, que já teve dois de seus filmes projetados no Festival de Cannes.

Os dias e horários de funcionamento de “AquiÁfrica” é de terça a sexta, das 13 h às 21 h. Sábados e domingos, das 11 h às 19 h. O Sesc Belenzinho localiza-se na Rua Padre Adelino, 1100 (próximo ao Metrô Belém) – Telefone para contato: (11) 2076-9700. A entrada é gratuita. #Entretenimento #Dicas