A literatura perdeu mais um autor de prestígio neste início de ano. Após o italiano Umberto Eco falecer em fevereiro, desta vez o mundo artístico lamenta a perda do norte-americano Pat Conroy, que não resistiu a um câncer no pâncreas e morreu na última sexta-feira, em sua residência, na Carolina do Sul. A informação foi divulgada por Todd Doughty, um dos principais diretores da editora Doubleday, responsável pelo espólio do autor.

A obra mais conhecida de Pat Conroy é o romance "O Príncipe das Marés", que ganhou uma badalada adaptação para o cinema em 1992, com Nick Nolte, Barbra Streisand e Blythe Danner no elenco. O enredo conta a história de um técnico de futebol americano em crise, que parte para Nova York com o intuito de ajudar sua irmã gêmea, uma poetisa depressiva e com tendências suicidas.

Publicidade
Publicidade

Ele acaba se apaixonando pela psiquiatra de sua irmã e a partir daí segredos de família tornam o drama ainda mais complexo. O longa teve 7 indicações para o Oscar.

Entre a ficção e a realidade

Conroy utilizou muito de suas experiências pessoais para criar seus romances e personagens. O próprio "O Príncipe das Marés" aborda bem a temática, já que a história de vida do escritor foi marcada por vários conflitos familiares, especialmente por conta da figura autoritária de seu pai. Segundo o jornal "The New York Times", o patriarca da família Conroy era uma pessoa rude e que educava os filhos com extrema rigidez. Pat, o mais velho de 7 irmãos, era o que mais sofria com o tratamento recebido pelo pai - um fuzileiro naval -, principalmente durante a infância.

Além de o "O príncipe das Marés", Pat Conroy é o autor de outras obras brilhantes, com adaptações bem sucedidas para o cinema.

Publicidade

Dentre seus romances, destacam-se "O Grande Santini", que virou um filme estrelado por Robert Duvall e foi indicado ao Oscar, "Os Senhores da Disciplina", " e "Guardiões da Honra". Nascido a 26 de outubro de 1945, na Geórgia, Donald Patrick "Pat" Conroy casou-se por três vezes, sendo a última delas com a também escritora Cassandra Conroy. Além do câncer, o escritor já estava com o fígado debilitado e sofria com a pressão elevada e com diabetes. #Entretenimento #Livros #Literatura