Aproveitando o Dia Internacional da Mulher, que tal abordarmos a presença feminina na música, mais precisamente num gênero predominantemente machista, onde mulheres de atitude lutam também pela igualdade e mais espaço?

Estamos nos referindo ao rock e seus demais subgêneros. Embora muitas pessoas desconheçam, o Brasil possui um cenário forte de bandas politizadas, com temáticas feministas e sociais, sob a liderança feminina e com mulheres compondo a formação.

Confira a seguir 3 bandas que militam ou militaram pela causa feminista e da mulher, inspirando a reflexão com postura engajada na cena rock.

Mercenárias

Não há como falar em rock engajado pela temática feminista no Brasil sem mencionar o grupo pós-punk Mercenárias.

Publicidade
Publicidade

Formada em 1983 na cidade de São Paulo, a banda liderada por Sandra Coutinho (baixo), Ana Machado (guitarra) e Rosália (voz), durante o início a banda contou com o músico Edgar Scandurra na bateria, até a entrada de Lou.

O som destilava neste período, influências de Souxsie and The Banshees, Slits, Joy Division, entre outros. Com nova formação, a banda está na ativa até hoje após um hiato, e teve uma de suas canções, chamada “Me perco nesse tempo”, regravada pelo grupo Ira!

Dominatrix

Já nos anos 90, podemos definir a cena rock feminina no Brasil em antes e depois de Dominatrix, tamanha a influência que o grupo formado pelas irmãs Elisa e Isabella Gargiulo exerceram no movimento Riot Girl nacional e mundial.

"Girl Gathering", disco de estreia das garotas lançado em 1997 pelo extinto selo Teenager In A Box foi um marco do punk, e é até hoje, item básico aos que curtem punk rock e #Música politizada.

Publicidade

Bulimia

Formada em 1998 em Brasília, a banda Bulimia ia na contramão da leva de bandas conterrâneas de Brasília no final dos anos 90.  Reivindicando os direitos das mulheres e criticando o machismo instaurado não apenas no rock nacional e no punk/hardcore em geral, mas sobretudo na sociedade patriarcal, a banda teve uma tênue existência, porém, suficiente para se perpetuar no hall das mais contestadoras e importantes do cenário.

Menções honrosas

É difícil mensurar a importância desta ou daquela banda, afinal, não se trata de uma disputa, mas sim da união de ideias convergentes em busca de um mesmo ideal: a igualdade entre os gêneros. Portanto, fica aqui a dica de outras bandas, umas mais engajadas à temática do feminismo, outras nem tanto, mas nem por isso menos significativas, afinal, não era somente nas letras que os grupos exerciam seu papel político, mas em fanzines, coletivos e ações diversas.

Pesquise também pelas bandas Lava, Okotô, Kaos Klitoriano, Menstruação Anárquika, Luta Armada, Biggs, One Days Kill, Infect, Surface e Pulso.

  #Livros #Arte