No dia 27 de março de 1960, nascia, no Rio de Janeiro, Renato Russo, vocalista de uma das principais bandas de rock do Brasil, a Legião Urbana.

Filho do economista Renato Manfredini e da professora Maria do Carmo, Renato Manfredini Júnior, quando criança, residiu no bairro carioca Ilha do Governador, onde atualmente há uma estátua sua. A #Música “Giz”, a preferida de Renato, refere-se à sua infância no Rio.

Depois, por motivos profissionais, sua família se mudou para os EUA. De volta ao Brasil, na adolescência, o músico passou a morar em Brasília. Nessa idade, o artista teve epifisiólise, uma doença óssea que destrói o tecido que envolve as articulações.

Publicidade
Publicidade

A enfermidade o levou a ficar de cama e utilizar cadeira de rodas. Durante esse período, Renato leu bastante.

No final dos anos 70, inspirado nos grupos punk, Renato Russo fundou a banda Aborto Elétrico, com Fê e Flávio Lemos e André Pretorius. A canção “Que País É Esse?” foi escrita nessa época. Em 1982, o conjunto chegou ao fim por causa de “Química”, uma música sobre as pressões de ter que passar no vestibular e ter um diploma. Fê não gostou da composição e disse que Renato havia perdido o jeito para fazer música.

Após o término do Aborto, os irmãos Lemos fundaram o Capital Inicial, e Renato passou a se apresentar sozinho. Antes de sustentar-se da música, o cantor trabalhou como repórter e professor num curso de inglês. Bi Ribeiro, baixista dos Paralamas do Sucesso, foi seu aluno.

Legionário

Depois de tocar sozinho, o artista montou a Legião Urbana, formada, naquele tempo, por Eduardo Paraná, Paulo Paulista e Marcelo Bonfá, na bateria.

Publicidade

Posteriormente à saída de Eduardo e Paulo, Dado Villa-Lobos, que é sobrinho-neto do compositor clássico Heitor Villa-Lobos, passou a tocar guitarra no grupo.

Em 85 os rapazes de Brasília lançaram seu primeiro disco, intitulado “Legião Urbana”. Pouco antes da gravação do álbum, Renato Rocha passou a compor a banda. Após o vocalista da Legião cortar os pulsos, Rocha entrou para o grupo para tocar baixo – o que antes era feito por Russo. Segundo Bonfá, Renato queria ter mais liberdade para cantar.

Ao primeiro trabalho, seguiram-se discos importantes, como “Dois” de 86 e “Que País É Esse?” de 87. Depois deste álbum, Renato Rocha saiu do grupo. Ainda foram editados “As Quatro Estações” (89), “V” (91) e o disco duplo “Música Para Acampamentos” (92). No ano de 93 foi lançado o disco “O Descobrimento do Brasil”, com a faixa “Vinte e Nove”, sobre os dias em que o músico ficou internado numa clínica de reabilitação. Renato tinha problemas com droga e álcool.

Ao longo da carreira, Renato Russo desenvolveu dois projetos solo.

Publicidade

O primeiro foi o CD “The Stonewall Celebration Concert” de 94, somente com músicas em inglês. Stonewall era um bar de NY onde, em 1969, homossexuais resistiram à prisão policial. A recusa iniciou um enfrentamento que durou 3 dias. Esse acontecimento é considerado um marco do movimento gay.

O vocalista expressou sua identidade sexual nos singles “Meninos e Meninas” e, mais tacitamente, “Soldados”. Renato tem um filho, Giuliano Manfredini. Seu segundo CD solo foi “Equilíbrio Distante” de 95, com músicas italianas. O trabalho é um tributo às origens itálicas de sua família.

Em 96 o cantor retomou os discos com a Legião Urbana, e, em setembro do mesmo ano, foi lançado o CD “A Tempestade Ou O Livro Dos Dias”, com a composição “1º de Julho”, que Russo fez para Cássia Eller que estava esperando um filho. No mês seguinte, dia 11, o artista faleceu em seu apartamento, no Rio, aos 36 anos de idade, em consequência do vírus HIV. O cantor nunca disse, publicamente, que era portador do vírus.

Posteriormente à sua morte, foram lançados alguns álbuns da Legião, entre eles, “Uma Outra Estação” de 97 e o “Acústico MTV” de 99. As composições de Renato Russo, intimistas e populares, foram gravadas por diversos artistas brasileiros e pela banda de rock argentina Attaque 77 (que fez versões em espanhol para “Fábrica” e “Perfeição”) e são executadas ate hoje. #Entretenimento #Arte