“Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais tristeza, nem choro, nem dor. As coisas anteriores já passaram. Aquele que estava sentado no trono disse: ‘Veja! Estou fazendo novas todas as coisas’”. Foram com estas palavras escritas no capítulo 21 e versículos 4 e 5 de Apocalipse (Revelação em grego), último livro das Escrituras e talvez o mais enigmático de todos eles, que João, o apóstolo que ainda vivia na época, descreveu as visões que presenciava enquanto estava na prisão romana dentro de uma gruta na linda ilha de Patmos na Grécia

Independente de inclinações religiosas comuns a cada um ou não, as palavras transcritas acima e o cenário paradisíaco onde foi escrito o Apocalipse, levam muitos a sonhar e a viajar no tempo e no espaço.

Publicidade
Publicidade

Enfim, um homem com quase 100 anos de idade, preso na Gruta do Apocalipse, ainda no 1.º século, teve a oportunidade de redigir as revelações do Deus Todo-Poderoso, passando as narrativas de geração em geração. 

Conhecida em todo o mundo, a ilha grega de Patmos passou a ser um destino universal para religiosos de várias denominações, mas também, e principalmente, para os admiradores da natureza e do mar grego que banha aquela parte do mundo. A ilha é pequena e a sua área geográfica é de 35 km² e o seu número de habitantes não ultrapassa os 3.000, conforme o último censo grego em 2011. 

Atualmente, a tradição da igreja Ortodoxa construiu a Capela de Santa Ana logo na entrada da Gruta do Apocalipse, onde há um lindo mosaico feito na capela, retratando o apóstolo João e algumas visões do mesmo. 

Enfim, em 1088, Alexios I, que foi um dos inúmeros imperadores Bizantinos, cedeu Patmos a um monge ortodoxo de nome Cristodoulos, o qual por sua vez se encarregou de construir o Monastério de São João, que está muito mais para uma fortaleza, que protege a joia insular dos ataques dos inimigos, na maior parte turcos

O nome da maior cidade em Patmos é Skala, onde está o seu porto principal e a maior parte de pequeninos hotéis disponíveis à recepção dos viajantes e turistas, mas é na colina da localidade Hora que ficam situados o Mosteiro de São João e a Gruta do Apocalipse. 

Hora é hoje a capital de Patmos, repleta de casinhas brancas ladeando ruas estreitas.

Publicidade

Não há hotéis no vilarejo, somente quartos nas casas dos habitantes locais, que são alugados para os turistas. Patmos é uma ilha tão pequena que não possui aeroporto e a forma de se chegar lá é através de ferry boat ou cruzeiros que partem do porto de Pireus na região de Atenas, a capital do país

Diferente de muitas outras ilhas gregas que possuem vida noturna agitada com discotecas e bares, em Patmos predomina a paz quase religiosa de um vilarejo do interior. Entretanto, toda essa ausência de burburinhos é logo esquecida quando o viajante se depara com as maravilhosas praias do local, ótimas para mergulhar e nadar. 

História, religiosidade e belezas paradisíacas fazem com essa parte da Grécia seja um dos lugares no mundo em que obrigatoriamente a pessoa deva ir pelo menos uma vez na vida. #Turismo #Europa #Religião