Qual a voz do Queen? Nem precisa pensar, é Freddie Mercury. E a voz do Pink Floyd? Claro, David Gilmour. Se a pergunta for "qual a voz do Guns N' Roses", a resposta vem imediata: Axl Rose. Kurt Cobain, a voz do Nirvana; Ian Gillan, do Deep Purple; do Iron Maiden, Bruce Dickinson e assim seguem as indagações e respostas no estilo "ping pong".

Desta forma, não restam dúvidas sobre o vocal original de AC DC: ele pertence a Brian Johnson ou, pelo menos, pertencia.

Após ser diagnosticado com um problema auditivo crônico, em março deste ano, o cantor realizou exames e chegou a dizer, há pouco mais de um mês atrás, em abril, que não se aposentaria, afastando-se apenas temporariamente, enquanto durasse seu tratamento.

Publicidade
Publicidade

Para a vaga de Brian, foi escalado Axl Rose, vocalista do Guns N' Roses como 'tampão', apenas para a banda cumprir com os compromissos de sua agenda de shows.

Porém, na segunda quinzena de abril, o AC/DC divulgou, em seu Facebook, a saída permanente de Johnson. Agradecendo sua contribuição e toda a sua dedicação ao longo dos mais de 35 anos com o quinteto, a banda disse ainda que Axl colaboraria para que eles pudessem respeitar os acordos firmados para suas apresentações. A banda agradeceu a sua contribuição e dedicação ao longo dos anos. Contudo, dizem que, apesar de quererem que a turnê Rock Or Bust World Tour termine, vão respeitar as datas anunciadas e que Axl Rose ofereceu a sua ajuda neste objectivo.

Mas parece que Johnson vai mesmo parar. Em entrevista à emissora de rádio norte-americana, Sirius XM, ele disse que os últimos gráficos de seus exames revelaram baixa considerável em seus níveis de audição.

Publicidade

Aconselhado pelos seus companheiros de banda, e outros amigos, a parar de cantar, o vocalista diz que "é preciso entender que as coisas são como são", referindo-se a atletas que deixam suas carreiras, até de maneira prematura, em razão de lesões e que, no caso dele, sente-se privilegiado, aos 68 anos, por ter cantado "em uma das melhores bandas do mundo".

O cantor também valorizou o fato de seus médicos não o diagnosticarem com alguma doença grave ou, até mesmo, um câncer, dizendo-se grato por tudo o que viveu com os companheiros Angus, Malcolm e Stevie Young, Cliff Williams e Chris Slade.

Início no AC/DC

Brian Johnson integrou a banda australiana de rock em 1980, ocupando a lacuna deixada por Bon Scott, morto em fevereiro daquele ano por intoxicação por álcool.

Desde então, gravou 11 álbuns em estúdio (a banda tem 18 discos, no total) e comemorou uma marca histórica já com seu primeiro trabalho como vocalista do AC/DC: "Back In Black", lançado em 1980, vendendo mas de 51 milhões de cópias, tornando-se o segundo disco mais vendido do mundo, atrás apenas de Thriller, de Michael Jackson, que vendeu mais de 65 milhões.

Publicidade

Outra baixa

Em 2014, Malcolm Young, um dos fundadores do AC/DC e irmão do guitarrista Angus, deixou a banda, também por problemas de saúde. Porém, as enfermidades de Malcolm foram bem mais sérias do que as de Brian. Ele teve detectado um câncer no pulmão, passou por cirurgia e ficou curado, mas teve complicações com coração e aí descobriu-se que Young sofre de uma doença degenerativa que acabou causando-lhe demência, deteriorando seu sistema mental. Com sua saída, Stevie Young, seu sobrinho, assumiu seu lugar na banda.

Até agora, enquanto está na estrada com o vocalista Axl Rose, na turnê "Rock or Bust World Tour", o AC/DC não confirma oficialmente o encerramento definitivo da banda, mas fãs próximos e especialistas do mundo do rock afirmam que sim,  o quinteto abandonará os palcos ao fim das apresentações. #Entretenimento #Famosos #Música