O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), manifestou descontentamento com um dos primeiros atos do presidente interino #Michel Temer (PMDB), que juntou os ministérios da Educação com o da Cultura. “Esse foi um erro’, disse Paes sobre a junção das duas pastas.

Paes falou sobre o assunto durante o lançamento do Passaporte Cultural, evento realizado no Museu do Amanhã, na Praça Mauá, em 13 de maio. Ele diz ser favorável a “uma máquina mais enxuta. Mas a Cultura está se mobilizando, está reclamando, está contestando muito”, disse.

O novo ministério

O presidente interino Michel Temer nomeou Mendonça Filho (DEM-PE) para o Ministério da Educação e Cultura.

Publicidade
Publicidade

Antes ele ocupava o cargo de deputado federal e fazia forte oposição ao governo de Dilma Rousseff. É ex-governador de Pernambuco e um dos autores da proposta da reeleição para os cargos do Poder Executivo.

Em sua vida política, Mendonça Filho nunca exerceu cargos ligados a Educação ou Cultura. É formado em Administração de Empresas, com curso de Gestão Pública por uma universidade dos EUA. Herdou agroindústrias e comandou a Associação Avícola de Pernambuco entre os anos de 1987 e 1989.

Passaporte cultural

O Passaporte Cultural Rio possibilita descontos e gratuidades em eventos culturais na capital fluminense até o fim dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. O documento é gratuito para brasileiros e estrangeiros residentes no país. Para turistas vindos do exterior, o passaporte custa R$ 15.

Publicidade

A promoção vale até o mês de setembro, quando terminam os jogos. Cerca de 700 atrações e 200 espaços culturais fazem parte da promoção até o fim dos Jogos 2016.

O ex-ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT), também criticou a extinção de sua pasta pelo presidente interino Michel Temer. Para o petista, o ato é uma “ponte para o atraso, para o passado, para o retrocesso”. Ele acredita que a Cultura ficará "sub-representada".

O ato também recebeu críticas do ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira. Para ele, trata-se de um retrocesso de 30 anos. #Rio Cultura #Rio2016