"Você provavelmente não me conhece. Ou me conhece muito. Somos completos desconhecidos ou talvez façamos parte de uma família que cultivamos com um amor imenso. De qualquer forma, somos parecidíssimos. Porque eu tenho crises e você tem crises. Quem sabe já tivemos as mesmas crises. Se você me contasse suas crises, eu riria e falaria 'ai, sei exatamente como é'."

É assim que Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, inicia a apresentação de seu livro Tá todo mundo mal, publicado em maio de 2016 pela Companhia das Letras. Como o próprio título já deixa claro, a intenção de Julia com ele (bem como com seu canal) é tratar com leveza e um certo tom cômico o fato de que todo mundo tem problemas e questões, ou seja, que está todo mundo mal - e que portanto, está tudo bem se você também estiver.

Publicidade
Publicidade

Ainda na apresentação do livro, além de deixar claro que entende de crises, Julia convida o leitor a parar de se importar um pouco com as próprias para dar risada das dela. E funciona.

Para quem já conhece o canal e assiste seus vídeos, abrir o livro é como estar na presença da carioca, tomando um café e conversando sobre a vida. As histórias são curtas, nunca passam de 3 páginas, e é praticamente possível ouvir a voz dela te contando tudo aquilo. Escritas de forma totalmente coloquial e com o jeito despojado de Jout Jout de contar as coisas, é quase como se cada uma delas na verdade fosse um vídeo decupado.

As crises relatadas têm temáticas variadas. Giram em torno de sua adolescência e início dessa fase adulta e falam sobre festas, amizades, relacionamentos, medos, empregos, escolhas e até pintam alguns assuntos mais sérios, como o fato dela, enquanto adolescente, ter se percebido inserida na cultura do estupro e sua voz ter sido menos levada em conta do que deveria. 

Seu namorado, seus amigos e seu analista também são figurinhas bastante presentes nos causos, o que torna tudo ainda mais engraçado e humano.

Publicidade

Você sente que aquilo ali é muito real e, enquanto dá risada, se sente compreendido: é verdade. Tá todo mundo mal.

Além da comicidade do livro, acredito que ele seja interessantíssimo justamente por mostrar um ponto de vista diferente do que é exibido o tempo todo pela maioria das celebridades (e webcelebridades) nas redes sociais: um espetáculo onde eles sempre têm vidas muito mais interessantes que a de todos nós. Julia, que tem quase 900 mil inscritos em seu canal, quis mesmo deixar claro que a grama do vizinho nunca é tão verde quanto parece e que a gente tem mais é que parar de achar que só a gente tem problemas. Vamos repetir mais uma vez? Tá todo mundo mal. E segue-se em frente! #Livros #Internet #Comportamento