Diego Oliveira Santos, 27 anos, o Mc Gold, canta desde os 19 anos e começou a carreira com o seu irmão mais novo, formando a dupla O2, onde cantavam Black Music. Em 2010, iniciou a carreira solo e mudou seu estilo musical, passando para o Pop Funk, e em 2013 começou a parceria com o Dj Erê.

Sua primeira #Música de sucesso foi “Perigosa”, que teve 20 mil visualizações no Youtube. Atualmente, está trabalhando no hit “Tá Tranquilo”. Com oito anos de carreira, Mc Gold fala de sua carreira ao Blasting News:

Paulo Silveira Blasting News: Você é de qual região do Brasil?

“Eu nasci e moro em São Paulo. Sou do bairro de São Mateus, Zona Leste, onde conheci meus amigos, brinquei muito, joguei futebol e ouvia as músicas que acompanhariam minha vida e me influenciariam posteriormente.

Publicidade
Publicidade

É um lugar pelo qual tenho muito carinho, pelas pessoas também”.

PSBN: Como é sua rotina de shows?

“A minha rotina de shows é muito corrida, às vezes a gente passa noites acordados, viajando para os lugares, ainda mais que a música tá estourada na rádio, mas é bastante gratificante porque você vê que o pessoal tá gostando da sua música e do seu trabalho, então essa correria toda compensa muito“.

PSBN: Você mantém contato com os seus fãs?

“Sempre, porque os fãs são muito importantes na minha carreira e estou sempre conversando com o pessoal que gosta da minha música e tá me seguindo nas redes socais (Facebook, Instagram). Eles compartilham meu som e sempre agradeço e converso com eles. Isso é vital, pois sem eles eu não seria nada. É importante essa troca e esse respeito”.

PSBN: Como a internet, principalmente Youtube e as redes sociais, facilitaram a divulgação do seu trabalho?

“A internet ajudou demais na divulgação do meu trabalho.

Publicidade

É tudo imediato, você envia o link, a pessoa ouve e diz o que achou da música, seja por Youtube, Soundcloud, rede sociais. Hoje é mais fácil mostrar minhas músicas. Antes, a gente gravava as músicas em CD e saía mostrando para as pessoas”.

PSBN: Como foi seu início de carreira?

“Sempre cantei por hobby, por brincadeira, mas em 2008 decidi fazer uma dupla com o meu irmão, cantando Black Music e comecei a levar a sério. Como queria seguir carreira solo, em 2010, fui cantar Pop Funk. Depois conheci o DJ Erê e ele me ajudou a desenvolver as composições através da sua habilidade em criar as bases musicais”.

PSBN: Você se apresenta junto com o Dj Erê. Como vocês se conheceram?

“A gente se conhecia e ele já era DJ. Certo dia me ouviu cantando e disse que a minha voz era daora (sic). Ele me disse para compor e gravar uma música que ia ser sucesso. A partir daí começamos a parceria.”

PSBN: Qual a diferença entre Dj e Mc?

“O DJ produz, arruma repertório, faz as bases, organiza, mixa, é o responsável pelo som.

Publicidade

O MC é a pessoa que elabora as letras e, como o nome diz, é o mestre de cerimônias, o que comanda, canta e agita o show. Os dois se complementam”.

PSBN: De onde vem sua paixão pela música?

“Vem do meu irmão mais velho, que era rapper, e desde então ouço Black Music, Rap americano, Bob Marley, entre outros. Além disso, escutava Funk do Cidinho e Doca, autores do sucesso ‘Eu só quero é ser feliz’. Tudo isso me ajudou a construir meu caminho na música".

PSBN: No início de sua carreira, você cantava outro estilo musical. É difícil um artista trocar seu estilo musical?

“Não, não tive dificuldades. O que muda é a levada de cada estilo, Black Music tem uma levada, o Funk tem outra“.

PSBN: Qual o seu ídolo?

“Michael Jackson. Por tudo que ele representou, como artista e como o seu trabalho foi reconhecido por muitos. Tenho muitos artistas que admiro, mas ídolo é ele”.

PSBN: Qual o seu sonho?

“Meu sonho é ser reconhecido pelo trabalho no Brasil e no mundo. Quem sabe uma carreira internacional. Nenhum sonho é tão grande”. 

Agenda de shows:

14/07 – Guaxupé/MG (PQ. De Exposição doutor Geraldo)

15/07 – Belo Horizonte/MG (Parque das Mangabeiras)

24/07 – Rio de Janeiro/RJ (Palaphitas)

29/07 – Curitiba/PR (WS Brasil)