No mês de julho o rapper Projota (30) lançou seu novo DVD: "Foco, Força e Fé". No lançamento, em São Paulo, trocamos algumas palavras sobre o que lhe inspira. Ele contou a historia de algumas de suas músicas, se diz "feminista" e fala um pouco mais sobre sua relação com #Anitta

Projota já fez parcerias musicais importantes ao longo de sua carreira. As mais famosas são canções como "O homem que não tinha nada", com Negra Li, "Elas gostam assim", com Marcelo D2, e "Cobertor", com a cantora Anitta, com quem Projota mantém uma amizade forte e ajudou na composição do novo álbum de estúdio da carioca, 'Bang'. Em seu novo DVD, o rapper lançou uma outra canção em parceria com a cantora.

Publicidade
Publicidade

Em um mês, o vídeo da música no YouTube já soma mais de 7 milhões de visualizações.  

Confira a nova parceria entre Projota e Anitta: "Faz Parte".

Projota cresceu em uma família humilde na zona norte de São Paulo, perdeu a mãe ainda criança e cresceu, como ele mesmo diz, "se virando para se dar bem na vida". Suas músicas falam de amor, amizade, família e, acima de tudo, respeito. O paulistano tem o histórico de enaltecer o valor da mulher em suas músicas. Talvez seja por isso que 60% de seu público seja o feminino. Exemplos são as canções 'Mulher' "Ela Só Quer Paz", que Projota diz não ser canções românticas como todo mundo pensa, e sim, músicas com alto teor feminista. "Essas músicas querem mostrar que as mulheres são importantes e que devemos dar o devido valor para elas na sociedade", contou.

Publicidade

Confira a #entrevista com Projota:

Lucas Nascimento: O que você acha do rap nacional?

Projota: Eu acho que é importante! O rap sempre foi ligado à palavra atitude e muita gente acabou não tendo essa atitude no fim das contas, e continua fazendo o de sempre. A gente entendeu que precisa tomar atitude 'pra' parar de ser esse primo pobre, de ser um bando de coitado, né? Nos tratam como se fôssemos todos coitados. "Ah canta rap? Coitado. Tadinho", quando na verdade deveria ser "Canta rap? ‘Vixe’, 'fudeu'. Esse ai é ‘zika'. (Risos). 

Lucas Nascimento: E quanto a suas parcerias?

Projota: Ah, eu adorei fazer parceria com a Anitta. Cantei com a Negra Li, com o Marcelo D2, o Dado Villa Lobos, Jota Quest e também com o gringo Buckmouth Beatz. Isso mudou um pouco o meu jeito de fazer música e me deixou melhor, com uma visão de mundo maior. Quero muito fazer novas parcerias, mas nos próximos trabalhos. 

Lucas Nascimento: Em uma entrevista você disse que tinha preconceito com a Anitta. Por que?

Projota: Não era preconceito.

Publicidade

Quando eu não a conhecia, eu nunca imaginava que poderia ter algum tipo de parceria com ela, não era o "meu mundo", até que ela me chamou ‘pra’ compor "Cobertor", e ali eu vi e pensei "essa mina é boa mesmo". Viramos amigos, ela ‘tá’ no meu novo DVD e eu estou no dela, ajudei na composição de "Bang", é uma 'parceiragem' que vai durar muito tempo ainda. 

Lucas Nascimento: Quem conhece sua musica já sabe que, no começo, você lutou bastante para chegar até aqui. Você já se considera uma pessoa realizada?

Projota: Desde 'Projeção' me sinto assim. Fiz o disco para falar disso, para falar sobre sair da lama e alcançar a vitória como homem e como ser humano. Me sinto realizado desde essa época. Agora, tudo é lucro, tudo que têm vindo depois disso é lucro. Eu só queria viver de rap, poder pagar minhas contas, mas, agora, o que alcancei é lucro. 

Lucas Nascimento: Deixe uma mensagem aos leitores do Blasting News.

Projota: Diria que você tem que acreditar em você mesmo, que a vida 'tá' aí 'pra' isso mesmo, 'pra' 'gente' sempre terminar ela melhor do que começou, entendeu? Não importa de onde você venha, não importa em qual tipo de berço você tenha nascido, mas que cada um 'tá' aqui 'pra' realizar uma missão. E eu acho que as pessoas nunca podem se esquecer de suas raízes, de sua origem. E saber que você pode ir o mais longe que você puder, mas tem que sempre deixar as marcas de migalhas de pão 'pra' poder saber por onde voltar.  #Entretenimento