Estreia, hoje (7), o documentário “Janis: Little Girl Blue”, que conta a história da cantora Janis Joplin. Dirigido pela renomada documentarista Amy J. Berg, que transformou 27 anos vividos pela artista em 107 minutos.

O filme usa imagens do arquivo pessoal da artista e de outras pessoas já mortas como John Lennon, Cass Elliott e Otis Redding.

Artistas contemporâneos que dizem ser influenciados pela cantora, como Pink, também aparecem no documentário que foi narrado pela cantora Cat Power.

Janis Joplin é a maior voz feminina do rock e teve uma carreira encurtada pelo vício. Texana, Janis era branca e colocou os pés na música negra e tirou elementos para sua música.

Publicidade
Publicidade

Em seu primeiro disco, Janis era integrante da banda Big Brother & The Holding Company. No segundo, o nome já era “Janis e o grupo”. No terceiro era carreira solo. Infelizmente, o quarto não foi concluído, a artista morreu de overdose em um quarto de hotel.

Janis cantava country, mas seu negócio era mesmo o blues e a soul music.

“Feia”, segundo os padrões de beleza e vítima de bullying da escola à faculdade, Janis bebia e criava badernas. Em cartas endereçadas aos pais, ela deixava claro que bebia e se drogava por não conseguir sustentar a máscara social criada pela fama.

Segundo um companheiro da banda, a cantora brilhava e se exibia em cima dos palcos, mas, quando o show acabava, se sentia solitária, mergulhando ainda mais na heroína, sua droga preferida.

Janis visitou o Brasil em fevereiro de 1970, na tentativa de se livrar do vicio.

Publicidade

Durante sua estadia, fez topless, cantou em um bordel e foi expulsa do Hotel Copacabana por nadar nua. Por ser época de carnaval, Janis tentou participar de um desfile, mas teve acesso negado por um segurança.

Aos 27 anos, Janis foi encontrada morta num hotel.  Foi cremada e suas cinzas espalhadas pelo Oceano Pacífico.

Hoje, a cantora é lembrada por sua voz forte e marcante e, pelos temas de dor e perda abordados em suas músicas. "Posso não durar tanto quanto outras cantoras, mas sei que posso destruir-me agora se me preocupar demais com o amanhã."  (Janis Joplin) #Entretenimento #Cinema #Arte