Em uma forte crítica da sociedade alemã, o artista Daniel Richter convida para a reflexão sobre velhos slogans solitários na Europa, em uma exposição no Museu de Arte Moderna Louisiana, na #Dinamarca, localizado cerca de 30 minutos da capital Copenhague.

O artista questiona a falta de reflexão da sociedade alemã na pós-modernidade em uma crise de identidade, em uma nação de vanguarda que tem filósofos como Habermas, Nietzsche e Kant.

Através de pinturas fortes em imagens de refugiados em quadros enormes, movimentos de vanguarda e uma tremenda explosão de cores, o alemão Daniel Richter, que vive atualmente em Hamburgo, tenta levar as pessoas ao engajamento sobre as grandes questões da Europa do século XXI.

Publicidade
Publicidade

Na exposição, 45 peças criadas entre 1995 e 2015, vislumbram momentos tais como os do início da década de 2000, marcada por uma forte tensão na política de imigração de refugiados após os atentados terroristas de 2001 e que teve como efeito o crescimento de uma política de restrição à imigração na Europa com efeitos colaterais até no Brasil, com o aumento no número de refugiados. Temas como esse levam o visitante a questionamentos sobre liberdade, segurança e o direito de ir e vir.

A exposição que está no museu Louisiana até o início de janeiro de 2017 é a primeira do artista alemão na Escandinávia. O espaço é extremamente agradável, com um grande jardim repleto de esculturas, algumas de Henry Moore, e incríveis árvores com mais de 100 anos que convidam o visitante a sentar-se nos bancos do jardim e aproveitar os dias amenos do sol do outono da Dinamarca. 

Um restaurante/café é parada obrigatória para todos turistas que desejam visitar o Museu Louisiana e que tem uma incrível vista para o mar na pequena cidade de Humlebeak.

Publicidade

Do alto da colina é possível observar barcos e praticantes de paddle no mar.

Novos talentos 

O designer dinamarquês Jonas Westeberg criou a escultura "Morcego (Bat)" para o festival de música heavy metal CopenHell que aconteceu no verão deste ano em #Copenhague com uma peça extremamente excitante e que remete ao mal.

Ele é da geração de novos artistas dinamarqueses que trabalham a criatividade em grandes espaços ao ar livre incentivando experiências coletivas. #Cultura