Após 29 anos do fim das atividades de uma das mais importantes bandas do cenário alternativo dos anos 80, os Smiths ainda continuam rendendo bastante notícia quando o assunto se trata de sua possível volta ou da vida pessoal de seus icônicos membros.

Morrissey e Johnny Marr, que recentemente estamparam vários noticiários pela declaração do guitarrista sobre um encontro deles em 2008, o qual resultaria numa volta do grupo, agora protagonizam uma nova discussão: Brexit/Nigel Farage. 

Há cerca de um mês, Morrissey, que foi eleito em 2006 por meio de voto público como segundo “Maior Britânico Vivo” ficando à frente de nomes como Paul McCartney, causou #Polêmica entre boa parte de seus fãs por saudar o resultado do Brexit como “magnífico” e atribuir ao líder do UKIP, Nigel Farage, o adjetivo de “educador liberal”.

Publicidade
Publicidade

Segundo Marr, tal postura do cantor e compositor afastaria ainda mais a possibilidade do reencontro.

“Provavelmente, não temos muito em comum, ideologicamente mais. Eu só posso falar por mim, eu  prefiro sempre andar pra frente. Eu e o Andy (Rourke, ex-baixista dos Smiths) tocamos juntos quando estou em NY, isso é realmente muito bom, mas acho que ainda está muito longe do que precisa pra ser.”

Disse o guitarrista em entrevista ao Sky News. Na outra ponta  há as polemicas declarações de Morrissey, como por exemplo sobre o Brexit:

“O resultado foi magnífico, porém ele não é aceito pela BBC ou Sky News, porque elas se opõem a um público ao qual elas não conseguem hipnotizar”.

Em entrevista à Australia News, Morrissey disse também que educadores liberais como George Galloway e Nigel Farage são odiados pela BBC, porque ambos defendem direito de liberdade igualitária para todas as pessoas.

Publicidade

Acrescentou também que essas equipes de notícias tem o mesmo estereótipo da Fox e CNN, ressaltando que todas elas dependem da estupidez pública para criarem seu próprio mito, ou seja, um falso cenário da realidade.

No auge dos seus 57 anos, Morrissey arrasta gerações de fãs por todo o mundo. Adepto do vegetarianismo há décadas, cedeu os direitos autorais da canção “I Know It’s Gonna Happen Someday” para trilha sonora de vídeo em prol do veganismo, criado pela ONG norte americana PETA. Teve sua autobiografia intitulada “Autobiographiy” publicada e lançada sob polemica entrando para a lista dos livros mais vendidos no Reino Unido em primeiro lugar, o que lhe rendeu cerca de 35.000 exemplares vendidos apenas na primeira semana. Apesar de sua saudável alimentação, Morrissey enfrenta luta contra um câncer, o que o tem afastado dos palcos eventualmente. Morrissey iniciou sua carreira solo no mesmo ano que os Smiths acabaram e a mantém até hoje, contabilizando dez álbuns de estúdio e quatro ao vivo.

Publicidade

Já o guitarrista Johnny Marr (53), gravou seu primeiro disco solo há apenas três anos e o segundo, no ano seguinte. Nesse meio tempo, trabalhou como produtor e integrou várias bandas como: The The, The Cribs, Eletronic  e Modest House. Foi considerado pela Gibson o 21° maior guitarrista de todos os tempos (ficando a frente de ninguém menos que Slash e David Gilmour). Marr se tornou uma referencia na guitarra, influenciando toda uma geração de bandas como Oasis, Coldplay e Radiohead. Ele lançará neste dia 03 de novembro sua autobiografia "Set The Boy Free" e atualmente trabalha num projeto teatral juntamente com a atriz Maxine Peake.

 Assim como em tantas outras histórias do mundo da música, fãs anseiam loucamente para que uma reconciliação traga de volta essa incrível banda aos palcos, mas parece que, no que depender deles, continuarão sendo notícia apenas pelos motivos contrários. #Famosos #União Europeia