Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, o Tom Jobim, nosso Maestro Soberano, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos e um dos criadores da #Bossa Nova, nasceu no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 1927. No ano seguinte, mudou-se com a família para Ipanema, onde foi criado. Era filho do diplomata gaúcho e parnasiano Jorge de Oliveira Jobim e de Dona Nilza, paulista. O brasileiro foi incorporado ao sobrenome por seu avô materno, revolucionário paulista constitucionalista. Perdeu o pai aos oito anos, o que fez desenvolver nele uma profunda relação com a tristeza e o romantismo melódico. Sua mãe casou-se logo depois com o engenheiro e funcionário público Celso Pessoa.

Publicidade
Publicidade

A avó tocava piano e seus tios eram violinistas e seresteiros. Tom ia à escola em Copacabana e voltava de bonde pela praia. Ipanema era um imenso areal entre o mar e a lagoa Rodrigo de Freitas. No ar, uma multidão de pássaros. Isso determinou o seu grande amor à natureza. Quando tinha 15 anos, seu padrasto contratou um maestro alemão, Hans-Joachim Koellreuter, introdutor da técnica dodecafônica no Brasil, e com ele aprendeu a tocar piano e violão. Com a mesma idade, começou a namorar Teresa, que tinha 12 anos. Casaram-se sete anos depois e a união durou 28 anos. Tiveram dois filhos: Paulo e Elizabeth.

Seus primeiros empregos

Seu primeiro emprego foi num escritório de arquitetura. Mas não gostou. Começou a tocar em boates. Em 1952, arrumou emprego na gravadora Continental.

Publicidade

Em 1953, estreava em disco como compositor, com o samba-canção “Incerteza”, em parceria com Newton Mendonça, com quem depois compôs “Desafinado” e “Samba de Uma Nota Só”. Em 1954, o primeiro sucesso: “Tereza da Praia”, em parceria com Billy Blanco, samba-canção interpretado por Lúcio Alves e Dick Farney.

O encontro com Vinícius de Moraes

O encontro definitivo com o poeta Vinícius de Moraes aconteceu em 1956. Vinícius estava procurando um músico jovem para trabalhar em sua peça “Orfeu da Conceição”. Quem fez a apresentação foi Lúcio Rangel. Daí nasceu uma das mais felizes parcerias da música popular brasileira. E surgiram joias como “Se Todos Fossem Iguais a Você”, “Eu Sei Que Vou Te Amar”, “Eu Não Existo Sem Você”, “A Felicidade”, “Brigas Nunca Mais”, “Chega de Saudade” e tantas outras.

A bossa nova

Pode-se dizer que a bossa nova foi lançada no antológico LP de Elizeth Cardoso “Canção do Amor Demais”, em 1958, com músicas de Tom e Vinícius, e em que se ouviu pela primeira vez a batida de violão de João Gilberto.

Publicidade

A bossa nova começou a alastrar-se a partir de 1959, com o lançamento do LP “Chega de Saudade”, de João Gilberto. Em 1962, Tom compôs com Vinícius a famosa “#Garota de Ipanema”, que se tornaria a segunda música mais executada no mundo (a primeira é “Yesterday”, de John Lennon e Paul McCartney). Nesse mesmo ano, em 21 de novembro, participou do histórico show no Carnegie Hall, em Nova York, com outros músicos brasileiros, fazendo enorme sucesso. Stan Getz se encantou com “Desafinado”, gravou e vendeu dois milhões de discos. Tom gravou “Garota de Ipanema” com Frank Sinatra em 1967. Um ano após, em parceria com Chico Buarque, venceu o III Festival Internacional da Canção, com a singela “Sabiá”. Em 1974, lançou outra obra-prima: o LP “Elis & Tom”. Em 1978, casou-se com Ana Beatriz Lontra, tendo mais dois filhos, João Francisco e Maria Luísa Helena.

Faleceu em 8 de dezembro de 1994, em Nova York, depois de uma cirurgia na bexiga. O Brasil ficou mais triste sem ele. #Tom Jobim