"O punhal" é uma história amarga de se ler. Ficção policial violenta com um quê de real, o livro é, segundo seu autor, o resultado de várias histórias por ele coletadas, durante seus muitos anos como jornalista de política, que foram mantidas na gaveta para se proteger e à sua família de ameaças.

O livro traz a história de Remil, um ex-combatente da Guerra das Malvinas e atual agente do serviço de inteligência argentino. Ele agora trabalha para Leandro Cálgaris, conhecido entre os políticos como "o cara que ajeita os problemas". Cálgaris manda Remil investigar a advogada espanhola Nuria Menéndez Lugo, ex-amante de um chefão do tráfico de drogas.

Publicidade
Publicidade

Ela está na Argentina a trabalho, mas seus negócios são de origem duvidosa. Remil se torna seu guarda-costas.

A trama pode ser considerada noir, subgênero policial de filme cujo ápice ocorreu durante as décadas de 1940 e 1950. Inspirados no Expressionismo Alemão, com uso estratégico da fotografia em preto-e-branco, os chamados film noir traziam, via de regra, personagens masculinos atormentados e fracassados, que se envolviam com uma "mulher fatal" - a famosa femme fatale. Podia ou não haver um detetive na história. São exemplos do cinema noir os filmes O falcão maltês e Pacto de sangue.

O autor é famoso por misturar jornalismo com literatura e realidade com ficção, e conta que escolheu escrever uma trama no gênero noir porque esse é o gênero que descreve a política argentina. E O punhal não foge às regras: embora com personagens fictícios, traz os bastidores do narcotráfico na Argentina.

Publicidade

Best-seller em seu país de origem, mostra o envolvimento de políticos, juristas e altos funcionários do poder público, que tornam o tráfico de cocaína e sua exportação para a Europa, possíveis. É o cocacapitalismo, segundo ele.

Díaz trabalhou como jornalista de política nos principais veículos de imprensa argentinos, e atualmente é colunista do La Nación e tem também um programa de rádio na Radio Mitre, chamado Pensándolo Bien. Foi convidado para a Academia Argentina de Letras em junho deste ano. O punhal é o primeiro romance do autor publicado no Brasil. #Lançamento #Livros #Crime