Algo um tanto inacreditável acabou acontecendo no mundo da 7ª arte, que condiciona comportamentos, tendências e fideliza uma legião composta de milhões de fãs de produções épicas do #Cinema ao redor do mundo. É o fenômeno que está acontecendo exatamente agora, por exemplo, em um país que não é tão famoso como os EUA e alguns outros da Europa, no lançamento de filmes, a saber, a Rússia. Trata-se do filme que recebeu o título de “The Viking” (O Viking), com a história daquele que ficou sendo conhecido no seu país de origem como o “cristianizador da Rússia”, que foi o príncipe Vladimir. A produção conseguiu superar as expectativas tanto das pessoas que já pagaram para a assistir no seu lançamento, quanto dos críticos de cinema; tanto é assim, que a obra em questão pode ser comercializada no que se refere aos direitos de exibição, para mais de 60 nações nos continentes europeu, asiático e até na América Latina, mas no Brasil especificamente, ainda não há uma data prevista para o lançamento.

Publicidade
Publicidade

Enfim, não foi à toa que o estrondoso sucesso de público pagante nas bilheterias da Rússia homologou que o longa-metragem passasse a constar na listagem dos 10 filmes que lideraram o ranking mundial de cinema no final de semana em que estreou. Um fato inédito no cinema russo.

A saga é extremamente semelhante, em nível estético, ao famoso mundialmente “#Game of Thrones” e, muito provavelmente também, justamente por seguir esta vertente de apresentação, o filme angariou o equivalente a um terço do orçamento gasto com a produção no primeiro final de semana em que foi exibido nas telonas, onde apareceu aquele que foi o cristianizador do então Principado de Kiev, antecessor da nação russa, o nobre Vladimir.

Konstantin Ernst, produtor responsável pelo filme, falou em entrevista ao periódico “TASS”, explicando que sua produção trata com riqueza de detalhes a história da nação russa e assim inúmeros países se anteciparam em adquirir o direito de poder exibir o longa-metragem, que foi feito com muita qualidade.

Publicidade

Foi investido o valor de 20 milhões de dólares para que o filme pudesse ser feito; entretanto, como frisado acima, no 1º final de semana de sua apresentação nos cinemas, a obra conquistou US$ 6,7 ​​milhões, valor este maior do que o drama dos Estados Unidos estrelado pelo famoso ator Will Smith, que é “Beleza Colateral”.

Quanto ao The Viking, o mesmo tem um enredo que se baseia em torno das informações da “Crônica de Nestor”, ocorrida em parte do século 12, narrando o dia a dia da existência de Vladimir, o príncipe e principal precursor da inserção do cristianismo no Principado de Kiev no ano de 988. #Russia