A #Disney, desta vez, resolveu inovar e fugir do ‘comum’, criando uma #Princesa com características peculiares. Moana é aquela princesa independente que não precisa de príncipe encantado para acordá-la com um beijo e, tampouco, de fadas madrinhas para realizar sonhos. Moana é aquela princesa guerreira que veio para mostrar o quão as meninas podem ser fortes e independentes.

A história do filme se baseia em uma adolescente de 16 anos, polinésia, que navega pelo Oceano Pacífico, sem pensar em romance. O longa também problematiza as questões ambientais. Os diretores do filme, John Musker e Ron Clements contaram em uma entrevista exclusiva ao G1 que o intuito ao criar a Moana foi mostrar uma jovem heroína, capaz de vencer todos os obstáculos em sua volta, sem contar com príncipe.

Publicidade
Publicidade

Os diretores ainda disseram que elaborar uma história sobre Moana abdicando de um romance foi um grande desafio. Segundo eles, a história precisava de um toque de emoção sem parecer piegas. Para Musker, é a história da mulher empoderada. O produtor do filme, Osnat Shurer, acrescenta dizendo que “nenhum príncipe encantado pode mostrar a você qual é a sua própria história”. De acordo com Shurer, para o futuro, os príncipes devem ser repensados.

Sobre o biotipo da princesa, os diretores disseram que precisavam criar traços mais fortes e marcantes, por se tratar de uma heroína que vive uma grande aventura. Moana, a nova princesa da Disney, ganhou um porte atlético, bem diferente das demais princesas que possuem traços de Barbie.

Nós gostamos da ideia de dar uma aparência forte às suas pernas e braços, já que ela é uma heroína de ação e aventura’’, destacam os diretores.

Publicidade

Musker e Clements ainda avaliaram que Moana é um tipo diferente de princesa. Por ser filha de um chefe de tribo a torna uma princesa, porém, uma princesa com ares de durona. Eles também confessaram ao G1 que gostam de elencos diversificados de princesas - aquelas com características de pele negra, cabelo escuro, traços fortes; típicas de orientais, asiáticas e latinas, por exemplo. Ainda, admitiram, que no futuro pode haver uma princesa gay.

“Como o mundo evolui, os filmes e as heroínas da Disney continuarão a evoluir”, frisa Clements.

Vale a pena conferir essa animação nas telonas do #Cinema, pois é aquele tipo de filme que atrai todas as idades. Outro ponto a destacar é que o longa passa uma mensagem muito bonita a respeito da natureza, além de mostrar um pouco da cultura polinésia. O filme foi lançado dia 5 de janeiro no Brasil e está disponível nos principais cinemas de todo o país.