O novo filme do diretor sul coreano #Park chan wook chegou às salas de #Cinema depois de aclamado em alguns festivais pelo mundo e causou um alvoroço de boas criticas.

O filme #A criada (The Handmaiden) conta a história de Sooke, uma jovem ladra que vive em um cortiço na Coreia -colônia japonesa dos anos 30. Ela vai trabalhar na mansão de uma família muito rica e lá se torna a criada pessoal de Hideko, na esperança de convencê-la a se casar com um falso conde, Ha Jung-woo.

O que Sooke não esperava é que acabaria se apaixonando por Hideko, e que a ajudaria a se libertar de seu tio opressor ao mesmo tempo em que precisa aproximá-la do vigarista.

Publicidade
Publicidade

O filme é uma adaptação do livro escrito pela galesa Sarah Walter, Fingersmith (em português, Na ponta dos dedos, que faz alusão aos dedos leves de um ladrão, e aos dedos que dão prazer a uma mulher).

Curiosamente, mesmo sendo longo, 2h25, o filme foi um dos mais assistidos de 2016 na Coreia do Sul, e chamou atenção dos americanos, que tradicionalmente não gostam de filmes legendados, mas que já admiram a obra de Chan Wook.

Experiência nos Estados Unidos

Seu filme de maior sucesso, Oldboy (comentado anteriormente no site), foi refilmado e relançado por um grande estúdio de Hollywood em 2015. E em 2012 chegou a dirigir um filme nos Estados Unidos, Segredos de sangue, contando com Nicole Kidman e Mia Wasikowska no elenco.

Se um filme coreano conseguiria arrebatar o Oscar de melhor filme estrangeiro, isso é difícil de dizer.

Publicidade

O que se sabe é que a concorrência este ano é grande. Elle com Isabelle Huppert representante da França, e Under the Shadows da Inglaterra.

Precisamos lembrar que o cinema coreano não possui precedentes em nenhuma premiação americana. Chan Wook ganhou a Palma de ouro em Cannes em 2003, e diversos outros prêmios importantes.

Depois que encerrou sua trilogia da vingança, Mr. vingança (2002), Oldboy (2003), e Lady vingança (2005), Chan Wook chegou a ser apelidado pela critica americana como o "Tarantino da Asia". Por causa das fortes cenas de violência, e por escrever seus próprios roteiros.

A criada chegou as telas brasileiras semana passada. Veja o trailer: