Um serial killer captura suas vítimas sempre aos pares, e propõe jogo mortal: matar ou morrer; aquele que sobreviver será libertado. Uma policial feminina, a detetive Helen Grace, tenta capturá-lo.

Essa é a sinopse de Uni-Duni-Tê, um livro cruel e violento. Escrito por M. J. Arlidge, a história transborda maldade, narrada em detalhes. Se a intenção de Arlidge era mostrar o pior da natureza humana, conseguiu. Nem Ed Gein, o lendário assasssino norte-americano, mostrou-se tão perverso com suas vítimas. (Para quem não conhece a história, Gein e seus feitos serviram de inspiração para personagens como Leatherface, de O Massacre da Serra Elétrica, Jame "Buffalo Bill" Gumb, de O Silêncio dos Inocentes, e Norman Bates, de Psicose).

Publicidade
Publicidade

Mas há um problema aqui - além do excesso de perversidade. A trama. Arlidge estava tão preocupado em narrar detalhes sórdidos, que deixou de lado a consistência da história. Leitoras e leitores mais atentos, ou familiarizados com #Livros (ou filmes) de suspense, podem perceber certas coisas antes do desfecho. E, para completar, dois ou três pontos, relacionados ao modus operandi do assassino, ficaram sem explicação.

Arlidge se esforça para mostrar que somos todos horríveis - o jogo proposto pelo serial killer é um exemplo. A integridade da heroína, a detetive Helen Grace, principalmente em ações passadas, é de caráter duvidoso. Pode-se dizer que a protagonista não é tão melhor assim que o assassino, e o fato de que os ressentimentos são descontados nas pessoas erradas ( as vítimas) não passa de um detalhe em Uni-Duni-Tê.

Publicidade

Conclusão: a natureza humana não presta. Ou Arlidge está habituado a círculos sociais muito desfavoráveis.

Sobre M. J. Arlidge: o autor produziu e escreveu séries de TV, como The Little House, Undeniable e Silent Witness. Uni-Duni-Tê foi seu romance de estreia e também o primeiro livro da série com o personagem de Helen Grace. Outros seis já foram lançados, mas esse é o único publicado no Brasil.

Uni-Duni-Tê. M. J. Arlidge. Trad. Maurette Brandt. Editora Record. 322 págs. R$ 39,90. #Entretenimento #Literatura