Não se trata de nada sobrenatural: o jornalista Mario Luis Grangeia reuniu várias letras de música compostas por Cazuza e Renato Russo que, dado o conteúdo e o contexto em que foram escritas, refletem a #História do Brasil. Grangeia analisa o momento em que as letras foram criadas, os anos de 1980, quando o Brasil saía da ditadura e caminhava para uma abertura democrática. Resultado de uma tese, o livro é dividido em capítulos que abordam questões sociais como o autoritarismo, a desigualdade e a orientação sexual. Grangeia oferece também um resumo da história do Brasil desde 1978 e uma cronologia no fim do livro, sempre fazendo um paralelo com as letras sobre os temas.

Publicidade
Publicidade

Uma leitura construtiva que fará recordar quem viveu aquele período. Quem nasceu depois conhecerá o momento através da música. Pelo detalhamento histórico, o livro serve também como material didático complementar.

Relembre os dois artistas

Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza, cresceu em meio a cantores consagrados da MPB, como Caetano Veloso, Elis Regina, Gal Costa e João Gilberto, e seu pai era dono da gravadora Som Livre. Iniciou sua carreira na banda Barão Vermelho, a qual largou depois para seguir carreira solo. Sempre polêmico, declarou ser bissexual e soropositivo numa época em que o assunto era tabu. Ele morreu de Aids em 1990.

Renato Manfredini Júnior, ou Renato Russo, era filho de um economista e de uma professora de inglês. Começou sua carreira na banda punk Aborto Elétrico, fundada por ele.

Publicidade

Desentendimentos posteriores com os outros membros fizeram com que deixasse a banda e, após breve tentativa de carreira solo, fundou, junto com Marcelo Bonfá, Dado Villa-Lobos e Renato Rocha, a Legião Urbana. Suas principais influências foram bandas como Sex Pistols, The Cure e The Beatles, principalmente John Lennon.

Sua adolescência virou o filme Somos Tão Jovens (2013), dirigido por Antonio Carlos da Fontana. Faroeste Caboclo, um de seus maiores sucessos musicais, foi adaptado para o cinema, também em 2013. O ator Fabrício Boliveira interpretou João de Santo Cristo e Ísis Valverde fez Maria Lúcia. A direção foi de René Sampaio.

Renato Russo foi também escritor: teve quatro #Livros publicados em vida e outros quatro após sua morte. Ele morreu de Aids em 1996. #Jornalismo