O provérbio popular que diz “lobo em pele de cordeiro” pode e deve ser entendido como um exemplo metafórico de alguém que tem a aparência bondosa, mas cujo comportamento secreto, ou no privado, não reflete os traços reais de verdade, bondade ou adjetivos do gênero. Existem inúmeros exemplos de pessoas nos mais diferentes segmentos, que lamentavelmente se enquadram em tais contextos de hipocrisia e deslealdade. Um exemplo disso, que pode deixar a muitos surpresos, vem do mundo do #Cinema, onde a famosa atriz norte-americana já falecida Judy Garland teve a oportunidade de confessar ao seu marido Sid Luft, o qual faleceu no ano de 2005, revelações que, no mínimo, deixariam o público estupefato casso viessem à tona em uma época considerada tão conservadora ou até mesmo “puritana”.

Publicidade
Publicidade

Um livro intitulado "Judy and I: My Life with Judy Garland" ou algo que pode ser traduzido como "Judy e eu, Minha vida com Judy Garland", com parte das memórias de Garland, está sendo publicado e traz informações sobre o seu trabalho, vida profissional e até pessoal, mas muitas destas verdades além de serem curiosas, deixarão um grande número de admiradores e pessoas com os pelos em pé.

De acordo com informações veiculadas pelo conhecido periódico “The Sun”, que por uma notícia inusitada é capaz de ir fundo nas especulações, Sid Luft confirmou que a atriz enquanto era casada com ele, lhe disse que os colegas de filmagem, que viveram os personagens conhecidos como “munchkins” no consagrado filme "#O Mágico de Oz", simplesmente se aproveitaram que ela era só uma adolescente e abusaram dela com assédios de cunho moral e sexual durante a produção do clássico.

Publicidade

Sid falou com convicção que os anõezinhos, no transcorrer da filmagem, fizeram da vida da garota um verdadeiro tormento, uma vez que se consideravam aptos a se safar de qualquer situação embaraçosa. No set de filmagem, por exemplo, de modo abusado, enfiavam as mãos sob o vestido da menina, que na época tinha somente 16 anos, enquanto eles, mais de 40.

O livro considerado biográfico sobre Judy, percorre um caminho de rumores, alegando que os anões atores, os munchkins, sempre estavam envolvidos em encrencas, tais como: promoção de orgias sexuais no local onde se hospedavam, que era geralmente o Culvar Hotel; participação em encontros de bebedeiras e quebra-quebra nos dormitórios. Chega a ser irônico, mas a atriz disse que de tão bêbados que os homenzinhos ficavam, a polícia era obrigada a detê-los se utilizando de redinhas destinadas a capturar borboletas.

Judy Garland permaneceu casada com Sid Luft durante 13 anos, sendo esse o 2º na sua lista total de cinco maridos oficiais, até mesmo porque Judy morreu em 1969 aos 47 anos, devido a uma overdose.

Publicidade

Tanto é assim, que há uma frase na biografia da atriz, onde o marido fala que além de Garland ter procurado se suicidar inúmeras vezes, ela lutava constantemente com o vício das drogas, isto é, “ela era casada com as drogas antes de me conhecer. E nunca se divorciou delas", complementou Luft. #Assédio