A #semana de arte moderna, ocorrida nos dia 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, foi um marco para a história da arte e para a nossa cultura. Ela foi a grande responsável por consolidar o #Modernismo no país e dar um vislumbre sobre os artistas brasileiros da época.

Os conceitos e ideias apresentados durante a Semana de Arte Moderna são refletidos até hoje no cenário artístico brasileiro e contribuíram para enxergarmos a arte moderna como uma ruptura com o passado vanguardista.

95 anos

O que se mostrou há 95 anos consolidou o que vivemos hoje. Foi na #Semana de 22 que surgiram, por exemplo, a música apresentada por meio de concertos, utilizando-se instrumentos e orquestras, que antes eram embaladas somente pela voz.

Publicidade
Publicidade

Também mostrou-se a poesia declamada e não só pela forma escrita, a arte produzida em telas e desenhos mais modernos do que se conhecia anteriormente na arquitetura.

Quase 100 anos de história, tradição e representatividade no mundo artístico, a Semana de Arte Moderna é um evento ainda a ser comemorado, não só por ter marcado época, mas por ter atravessado gerações com as ideias inovadoras tão presentes nos dias atuais.

Apesar de toda essa notabilidade de ideologias e convicções, poucos apreciaram a importância do evento à época, isso porque muitos conservadores, inclusive a grande mídia, achavam um ultraje romper com o período de Vanguarda para dar lugar ao Modernismo e suas ideias tão contemporâneas.

Grupo dos cinco

O grupo dos cinco, composto por Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade, foi a equipe que representou a Arte Moderna no Brasil.

Publicidade

Eles defendiam as ideologias apresentadas na semana de 22 e até contribuíram para a sua realização As artistas Anita Malfatti e Tarsila do Amaral e os escritores Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade organizaram as primeiras demonstrações do modernismo no país, que também surgiu com um viés político, isso porque criticava e buscava denunciar as diferenças e injustiças sociais, servindo como um protesto realizado através de movimentos artísticos.