A #Grécia é um país repleto de #História, estórias e mitologia, no qual não se sabe ao certo onde termina o real e começa o imaginário. Desde o seu cenário geográfico movimentado com baias, cabos, promontórios, ilhas, rochedos, montanhas e oceanos revoltos, como se a paisagem fosse o resultado da fúria dos titãs gregos ancestrais, até a influência sobre todo o pensamento e cultura ocidentais por parte dos cidadãos da Grécia. As produções diversas, feitas pelos gregos nas mais diferentes áreas da humanidade, parecem querer revelar o espírito indômito e revolucionário da raça helênica.

Um exemplo claro e que contagia os amantes da história e da mitologia da Grécia é a construção do escudo do ilustre guerreiro grego Aquiles.

Publicidade
Publicidade

Tanto é assim que o historiador Homero dedicou ao escudo de Aquiles pelo menos 134 versos na obra “Ilíada” de sua autoria.

Na narrativa épica, o valente Aquiles perdeu sua armadura em combate, após o seu amigo mais íntimo, Pátroclo, ter morrido na famosa #Guerra de Tróia pelas mãos do príncipe troiano Heitor, que acabou tomando os seus pertences, algo considerado uma desonra para os soldados da Grécia.

Desse modo, a mãe de Aquiles, Tétis, foi até o deus Hefesto e pediu à divindade que forjasse uma nova armadura e instrumentos de guerra para o seu amado filho, apesar de Tétis ter feito de tudo para que o rapaz permanecesse afastado das guerras abundantes naquela época da história humana e, por isso, o enviou para a região de Skyros; entretanto, não teve sucesso no seu intento, pois o herói aqueu era consciente de suas habilidades de guerreiro e sabia ser o líder ideal do seu povo nos conflitos, o que acabou lhe trazendo uma morte prematura com o passar do tempo.

Publicidade

O deus Hefesto usou de sua técnica mais apurada na construção do escudo de Aquiles, o que funcionou figurativamente como um verdadeiro hino homenageando a inovação daqueles tempos remotos, ou seja, uma verdadeira obra de arte, extremamente poética e funcional de todo o período homérico.

Descrição do projeto

A estrutura primária do escudo, com os seus adornos, era extremamente sólida, sendo o objeto construído com três folhas sobrepostas e extremamente aderidas de um metal brilhante. A peça como um todo foi bastante decorada com detalhes e figuras de anciãos com as mãos dadas.

Existem entalhes do céu, da terra, do mar, do sol e da lua que se combinam, que se aproximam e que ao mesmo tempo se distinguem. As estrelas coroam o firmamento, tais como as Plêiades, as Híades e possivelmente parte da constelação de Órion, flutuando sobre ás águas dos oceanos. Cidades e um grande banquete no festejo de casamento não foram esquecidos por Hefesto, onde noivas saem de suas casas e entoam canções da época, junto aos jovens dançarinos com guitarras e flautas.

Em uma seção do escudo do guerreiro grego, se pode ver mulheres de pé frente aos portões, pessoas formando longas filas nos mercados, homens que lutam pela honra dos seus mortos.

Publicidade

Enfim, o deus mitológico fez questão de construir sob medida uma arma de guerra, mas que simultaneamente testemunhava a história da Grécia para um homem perturbado no âmago de sua alma, onde divindade e mortalidade se confundem, onde o imaginário se torna concreto e vice-versa. Grécia! Um país minúsculo, porém detentor de uma história singular, imortal e apaixonante, independente de época.

Reprodução da fabricação do escudo de Aquiles