Em 1954 chegava às telas um dos maiores clássicos do cinema americano Janela Indiscreta. Dirigido por Alfred Hitchcook e estrelado por James Stewart, Thelma Ritter e a estonteante Grace Kelly.

Jeff (James Stewart) é um fotografo que sofreu um acidente e fraturou sua perna, ficando impossibilitado de trabalhar por duas semanas. Morando em um apartamento na Greenwich Village, em Nova York, nos Estados Unidos, sentado em uma cadeira de rodas e sem nada para fazer, observa através de sua janela a vida de seus vizinhos a sua frente.

Recebendo apenas a visita de sua enfermeira Stella (Thelma Ritter) e sua namorada a socialite Lisa Fremont (Grace Kelly), Jeff é um homem com algumas limitações na vida.

Publicidade
Publicidade

Experiente e vivido, não tem compromissos sérios com ninguém. Vivendo aparentemente uma vida solitária.

Entre os vizinhos está um pianista sem inspiração para compor, uma jovem bailarina que vive de forma livre e desprendida; uma mulher solteira de meia-idade; casais; uma escultora; e o Sr. Thorwald, um caixeiro viajante com sua esposa inválida.

Jeff observa com certo interesse a vida do Sr. Thorwald, um homem com um comportamento suspeito depois do desaparecimento de sua esposa. Essa será o visgo para a trama se desenrolar em um jogo de investigação particular de Jeff, que conta com a ajuda de Stella e Lisa, e seu amigo detetive Tom Doyle. De inicio se pensou que Jeff estava ficando paranoico, mas no final sabemos que houve realmente um crime bem ali a frente de seus olhos.

A crítica está nas entrelinhas do #Filme, que mostra um ambiente onde pessoas vivem apenas em seu próprio mundo, distante da realidade das outras.

Publicidade

O que se pode perceber nos primeiros minutos do filme é que vai ser uma história longa e chata, um equívoco para quem pensa assim.

Assistir a Hitchcook é como ler um livro, porque o suspense inserido no enredo é a chave para prender o público, usando certa ligeireza em criar situações que fazem o telespectador querer ir até o final e descobrir a verdade dos fatos ali apresentados.

Até onde vai a nossa curiosidade em relação à vida particular de outras pessoas? E quais são as consequências para ambos? Essas são duas questões trazidas no enredo do mestre Alfred Hitchcook.

Um ótimo filme para uma noite qualquer ou uma tarde de domingo, onde você pode assistir a atuação da musa de Hitchcook, Grace Kelly no auge de sua carreira, antes de largar o cinema para se tornar a princesa de Mônaco. #AlfredHitchcook