Criada pela revista digital e ONG AzMina, uma #campanha que questiona a desigualdade salarial entre homens e mulheres no Brasil estreou nesta semana no país. As cantoras Valesca Popozuda, Daniela Mercury e Tiê estão na iniciativa #MaisQue70, que fala sobre os salários 30% menores para mulheres no mercado de trabalho.

A revista publicou em sua página do Facebook três videoclipes de músicas já existentes das três cantoras com um porém: ao reproduzir a faixa, apenas 70% dela é tocada que é o equivalente ao que mulheres ganham em comparação aos homens, como explicam ao final de cada vídeo.

Os outros 30% foram doados por cada cantora em apoio à campanha.

Publicidade
Publicidade

A ONG também convida as internautas a participarem da campanha pelo hotsite, onde os apoiadores podem colocar o filtro da ação em fotos pessoais e espalhar a campanha.

Daniela Mercury e Valesca Popozuda mostraram em suas redes sociais a campanha e pediram aos seus seguidores para apoiarem a campanha, que deverá ter circulação em TV, rádio e outros meios de comunicação. Até esta quarta-feira, o clipe da música "Pimenta" da funkeira já alcançava cerca de 663 mil visualizações com 5.599 compartilhamentos. Em "Rainha do Axé", faixa escolhida para representar Daniela Mercury tem 4,3 mil visualizações. Para representar a cantora Tiê, a música "A Noite" já possui quase 3 mil visualizações no Facebook.

ONG

Segundo o próprio site da ONG, AzMina é uma instituição sem fins lucrativos que possui o objetivo de usar a informação para combater os diversos tipos de violência que atingem as mulheres brasileiras.

Publicidade

A ONG realiza consultorias, palestras e debates para criar conteúdo de discussão sobre os direitos da mulher. Elas são as autoras e coautoras de campanhas #CarnavalSemAssédio e #MamiloLivre.

A revista é uma publicação online e gratuita, que deseja utilizar o jornalismo e a educação para melhorar o mundo, principalmente para as mulheres. Em seu site, publicações com colunistas e debates para mostrar sobre a mulher brasileira e sobre questões importantes para a atualidade. #Feminismo