Para os amantes do culto à perfeição, à liberdade de pensamento e à beleza da alma e até do corpo físico, a Grécia por milhares de anos tem funcionado como um fator de motivação singular na busca de todos esses conteúdos e práticas, apesar de ser um pequeno país geograficamente, é ainda um gigante no que diz respeito à história, mitologia e magia no sonhar das pessoas oriundas de todos os quatro cantos do mundo, ou seja, é uma nação em que ficção e realidade, mitologia e mundo concreto, se misturam de tal forma, que ora não se sabe quando é um, ou quando é o outro. Por exemplo, na #Mitologia grega, há o personagem de Orfeu, cujos relatos que chegaram à atualidade revelam que foi o poeta mais habilidoso que existiu na face da terra e também médico de formação.

Publicidade
Publicidade

Orfeu nasceu da relação de amor entre Calíope, uma musa grega, e o rei da Trácia (região nordeste da Grécia moderna), Éagro. A tradição cultural reza que quando Orfeu tocava sua lira, que foi um presente carinhoso dado por seu pai, até mesmo os pássaros e aves do céu interrompiam seus vôos, unicamente porque ficavam hipnotizados pelos acordes produzidos por Orfeu e o seu instrumento musical. Também os demais #Animais selvagens ficavam totalmente dóceis quando escutavam as melodias e, mais do que isso, diz a lenda, que as árvores dos bosques se reclinavam para absorver totalmente os sons dos “hinos órficos” ou produzidos por Orfeu, que eram trazidos ao sabor do vento.

Os denominados hinos órficos compõem uma coletânea formada por 87 poemas ditos hexamétricos (é uma das formas conhecidas de medida poética literária formada de 6 pés métricos por cada verso), entoados no decorrer dos cultos ou encontros órficos, algo que era extremamente comum por ocasião do final do período histórico helenístico.

Publicidade

A autoria de tais hinos é atribuída, como o próprio nome sugere, a Orfeu; entretanto, provavelmente tiveram também outros poetas como autores.

A ciência se debruça no sentido de atestar que os hinos órficos com os seus segredos podem trazer consigo as chaves para explicação do intrincado universo durante a sua existência por tempo indefinido. Acredita-se que cada hino ou a escrita do mesmo, tenha mensagens latentes, que podem surpreender a todos que conseguirem decodificá-las.

Enquanto a ciência não traz uma explicação total sobre o tema, os apaixonados por mitologia grega ou mesmo pela Grécia e seu povo, continuam querendo entender mais e mais sobre esses emocionantes episódios que povoam o imaginário humano.

Sabe-se ainda que Orfeu e mais 49 outros homens foram chamados de Argonautas e eram amigos do herói Jasão, que buscava pelo velo de ouro. Orfeu era tão útil na tripulação de Jasão, que inclusive acalmava as brigas no navio com o som hipnótico de sua lira. Quando o navio grego já estava retornando à pátria, Orfeu conseguiu salvar a todos, ao calar as sereias assassinas de marinheiros em naufrágios.

Publicidade

Pode-se afirmar que Orfeu, como Argonauta, viveu a primeira fase de seu enredo de vida. Entretanto, há mais três momentos na sua existência, que são a segunda parte, quando ele se casa com Eurídice, mas algo muito trágico acontece, obrigando-o a ter que descer ao mundo inferior ou “infernus” (no latim, inferno) e ter de negociar com o próprio rei dos mortos, o poderoso Hades, cara a cara, constituindo a terceira fase da epopeia. O quarto e último momento é o grande apogeu para os estudiosos do mundo grego e seus personagens, que tão bem influenciaram o pensamento do Ocidente.

O que será de tão especial que aconteceu com esse enigmático homem grego, que desafiou a fúria dos deuses mitológicos em nome de um amor eterno, e como ele se utilizou de sua lira com seus hinos órficos em prol do seu objetivo? Será mesmo que ele teve sucesso na sua jornada? As respostas a essas e outras perguntas serão fornecidas na continuação deste artigo, mas, enquanto isso, não deixe de registrar a sua opinião sobre Orfeu e a mitologia grega em geral.

Alguns dos 'hinos órficos' ou compostos pelo poeta grego Orfeu

#Grécia