Esta é a história de Adele Bloch-Bauer I, mais conhecida como a 'Dama Dourada' ou a 'Monalisa Austríaca'.

Adele era de ascendência judaica, e viveu maior parte de sua vida na Áustria, falecendo de meningit, em 1925, período em que houve a ocupação do Regime Nazista em seu país.

Adele era uma jovem de uma beleza peculiar. Casou-se com Ferdinand Bloch-Bauer, um rico industrial do ramo açucareiro e que promovia muito a #Cultura de seu país, patrocinando promissores artistas.

Em 1912, Ferdinand encomendou ao renomado pintor austríaco Gustav Klimt uma pintura que realçasse a beleza de sua esposa. Um retrato feito de tela marinheira, pintado a óleo e ouro.

Publicidade
Publicidade

Depois da morte da esposa, Ferdinand decidiu se exilar na Suiça, logo em seguida teve a maioria de seus bens confiscados pelos Nazistas, entre eles o retrato de Adele Bloch-Bauer I.

Em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, o testamento de Bloch-Bauer destinava os seus bens para seus sobrinhos, entre eles uma herdeira em especial que seria Maria Altmann.

Maria Altmann era também sua descendente, que fugiu com o marido para os Estados Unidos durante a ocupação nazista, e nunca mais retornou ao seu país de origem.

Com o passar dos anos, o governo austríaco tomou parte do testamento de Bloch-Bauer e conservou a sua vasta coleção de quadros no museu de Viena. Maria entrou com uma ação na Justiça para obter de volta o que lhe pertencia de direito.

Maria Altmann enfrentou uma batalha longa e conflituosa, mas a Suprema Corte reconheceu que as obras deveriam ser devolvidas ao seu verdadeiro dono.

Publicidade

Ao retornar para os Estados Unidos, o retrato Adele Bloch-Bauer I foi vendido por 135 milhões de dólares a Ronald Lauder, proprietário da Neue Galerie New York.

Lauder foi embaixador dos Estados Unidos na Áustria, durante o governo de Bill Clintonfoi e um importante aliado de Maria Altmann. Criador da World Jewish Restitution Organization, comissão que combate os casos de roubos cometidos pelos nazistas.

Este trecho da vida de Adele Bloch-Bauer é retratado na cinebiográfia A Dama Dourada (2015), longa-metragem dirigido por Simon Curtis.

O enredo aborda o período em que Maria Altmann retorna à Áustria com seu advogado Randol Schoenberg, para entrar com uma ação na Justiça, e recuperar a herança deixada por Bloch-Bauer.

O filme é estrelado pela brilhante Helen Mirren no papel de Maria, e o talentoso Ryan Reynolds como Randol. Além de ter Katie Holmes, Charles Dance e Daniel Brühl, no elenco.